(Áudio) Após água contaminada e ampliação de rede, baixa adesão de famílias da Augusto Bretzke preocupa

O abastecimento de água potável para as 17 famílias da rua Augusto Bretzke, no bairro Planície Alta, em Guabiruba, passa por um novo obstáculo. Desta vez, é a adesão das famílias que ameaça a saúde dos moradores. A situação deve ser acompanhada pela Vigilância Sanitária.

Após um investimento de cerca de R$ 70 mil para construir 850 metros de rede de água até a localidade, que dependia de uma nascente que acabou contaminada, apenas uma das famílias buscou a concessionária, Guabiruba Saneamento, para solicitar a ligação de água para a residência. Hoje, a fonte de água alternativa é considerada imprópria e o consumo do local está proibido devido ao risco à saúde. 

A infraestrutura, segundo o superintendente da Guabiruba Saneamento, Guilherme Paladini, foi entregue em 15 de dezembro, após uma força tarefa entre a empresa e a Prefeitura local. Em setembro, afirma, contatos com todos os moradores foram feitos, onde foi ofertada a gratuidade dos custos de ligação de água para os casos que a solicitação e os requisitos fossem atendidos até a conclusão da obra, o que não aconteceu.

Para ele, a situação é vista com preocupação, já que o trabalho envolveu uma força tarefa de diferentes órgãos públicos, como Vigilância Sanitária, Secretaria de Meio Ambiente, além de caminhões pipa e fornecimento de água potável para consumo da população.  “Preocupa demais, é uma questão de saúde pública. A gente tem uma legislação federal, estadual e municipal com relação à saúde pública bem incisiva com relação a isso, porque as fontes alternativas de abastecimento, sejam elas nascentes, poços ou qualquer outro tipo de fonte, elas não passam por qualquer monitoramento com relação à qualidade bacteriológica da água, com relação a risco químico da água, então as pessoas não têm nenhuma segurança daquela água que está sendo consumida.”

A cobertura de rede de água no município é de cerca de 63% e o ponto não fazia parte da área atendida pelo serviço. “A Planície Alta, aquela região,  não estava no planejamento imediato. Como houve essa demanda e que a gente entende que, realmente, era cabível, era uma necessidade, foram tomadas as ações para mitigar e, em parceria com a Prefeitura, a gente executou essa extensão de rede para atender essas famílias em específico.”

Segundo o prefeito Valmir Zirke, a partir da disponibilidade da rede, o fornecimento de água com caminhões pipa fica impossibilitado de ser realizado. De acordo com ele, a Vigilância Sanitária passará a notificar os moradores para que façam a adesão à rede, uma vez que a fonte que estavam utilizando está contaminada. 

“A partir do momento que não tinha água potável, o município estava levando água para que essas pessoas tivessem como beber, lavar roupa, continuar suas vidas normais , mas, a partir do momento que tem uma rede em frente às residências, eles são obrigados a aderir. O município não tem mais obrigação de fornecer outra água se tem uma rede passando em frente às residências”.

Zirke atribui a baixa adesão à limitação financeira da população da localidade e ressalta que o consumo da água da nascente é um risco para a população. Segundo o prefeito, nos próximos dias um trabalho de conscientização será feito com os moradores para tentar convencer um número maior de pessoas a aderir à rede.

 

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões