Uso do dedo polegar no celular está criando uma nova doença

Um novo tipo de doença tem surgido e tomado conta dos consultórios de ortopedia e traumatologia. Ela chama-se Síndrome de BlackBerry e está associada ao uso contínuo do dedo polegar em ações repetitivas, como manusear o celular. O assunto foi um dos debatidos em entrevista do médico Henrique Soares de Figueiredo ao programa Rádio Revista Cidade, da Rádio Cidade, nesta quarta-feira (15).

(ACOMPANHE A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA NO NOSSO CANAL NO YOUTUBE)

Henrique é especialista em ortopedia, traumatologia, cirurgia da mão e microcirurgia, além de integrar a equipe da Clínica Ortocentro Ortopedia e Traumatologia. Por ela passam, inclusive, inúmeros pacientes com este tipo de problema. O médico faz o alerta:

“Acabamos usando o nosso polegar para digitar e o polegar, lá na nossa anatomia, na nossa criação, ele foi feito para se realizar pressão com força, segurar martelo, aprender a fazer movimento de oponência na força, e não para digitar e fazer movimento repetitivo”, destaca ele.

Como profissional da área, ele teme os efeitos futuros dessa nova maneira de vida em termos de uso das mãos. A preocupação se dá ao acesso cada vez mais cedo de crianças ao aparelho celular. Os reflexos tendem a surgir quando estiverem mais velhas.

“Sou de uma época que isso chegava na adolescência ou, ainda, na fase adulta”, pontuou o médico.

Síndrome do Túnel do Carpo

O tema entrou na relação de outros que tratam dos cuidados com a saúde, principalmente em relação à ortopedia. Como a Síndrome do Túnel do Carpo, um tipo de inflamação que se dá nos tendões e gera muita dor. Tratamento e até cirurgia são os caminhos, afirmou Henrique.

“A doença, em si, é uma inflamação os tendões. Não tem tendão rompido, nada que seja cem por cento cirúrgico. Existem, sim, alguns casos, que acabam evoluindo para cirurgia”, frisou ele.

Carpo é o termo médico para punho. Nessa parte do corpo (a mão), há uma arquitetura com oito a doze ossos. Os do carpo são oito e fazem o formato da letra U. Em cima dele há um ligamento que fecha o túnel. Nele passam nove tendões de um nervo. A inflamação deles aumenta o tamanho desse túnel pela compressão desses nervos. “É a compressão nervosa mais comum que existe”, disse ele na entrevista.

O médico alerta que o paciente deve procurar atendimento especializado tão logo sinta os primeiros sintomas, a fim de que o problema seja sanado em a necessidade de algum procedimento cirúrgico.

Mais informações podem ser obtidas com a equipe da Ortocentro, que fica anexo ao Hospital de Azambuja, e o telefone é o (47) 33550422.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

(VÍDEO) Vereador quer mudança na forma de atendimento do Samu

Um grande número de reclamações sobre o atendimento do Samu na cidade de Brusque levou o vereador André Vechi (DC) a buscar informações sobre o serviço. O objetivo, segundo o parlamentar, é detectar onde se concentra a maior parte das queixas e, posteriormente, buscar uma solução definitiva para o problema. De acordo com Vechi, ao verificar tais reclamações e procurar entender o fluxo do serviço, ele...
Continuar lendo...

Morre secretário de obras e ex-vereador de Botuverá

A prefeitura de Botuverá informou nesta quinta-feira (16) o falecimento do atual secretário de obras e ex-vereador da Câmara Municipal de Botuverá, Angelo Luiz Venzon, 71 anos, mais conhecido como PP Angelim. Ele faleceu em sua residência, no bairro Lajeado Alto, por volta das 05h40 de hoje. Ele foi vereador da Câmara Municipal de Botuverá nas Legislaturas de  1997 a 2000, de 2001 a 2004 e 2013 a 2016 onde solicitou licença para...
Continuar lendo...

INSS vai fazer pente-fino em auxílio-doença

O INSS vai fazer um pente-fino em aproximadamente 200 mil auxílios-doença concedidos no ano de 2020. Os benefícios foram liberados no período em que as agências do INSS estavam fechadas por conta da pandemia. Por isso, o trabalhador que precisava do afastamento remunerado da previdência poderia solicitar um adiantamento do benefício sem a necessidade de perícia no valor de mil e 45 reais. Agora, o INSS quer revisar estas concessões...
Continuar lendo...