Transferência suspeita vira embate com agência bancária

O imbróglio envolvendo uma transferência bancária da conta da família de Cristiano Corrêa, morador de Brusque, já dura cerca de dois meses. Eles foram surpreendidos após o contato de um representante da Caixa Econômica Federal, questionando a transferência de R$ 5 mil da conta da esposa dele, Fátima, para uma conta na cidade de São Paulo.

Corrêa nega que a família tenha feito a transação, registrada no início de maio. Até por não ter feito negócios relacionados à cidade. O celular usado para o procedimento também não é reconhecido por eles.

Outro ponto que ele chama a atenção é que o horário registrado é um que ambos estão no trabalho.

Segundo ele, na semana passada, ocorreu uma audiência intermediada pelo Procon entre a Caixa e a família. Apesar da tentativa, ele afirma não ter tido avanços na tratativa.

“A Caixa não aceita nenhum argumento nosso. Eles dizem ‘tu fez a transferência’, inclusive está no documento”, queixa-se.

Corrêa também reclama de pouca transparência sobre os procedimentos adotados pela agência, além da pouca atenção dada a eles. “A Caixa tem que proteger a minha conta. Não pode sumir um dinheiro da minha conta e eu estou dizendo para ti que eu não fiz a transferência”.

Caixa se manifesta

Em nota, a Caixa Econômica Federal confirmou à Rádio Cidade ter feito a análise do pedido de contestação do caso, mas que, “em respeito ao sigilo bancário, o resultado foi comunicado diretamente à cliente”. No posicionamento, o banco também reforça a necessidade de adoção de medidas de segurança.

De acordo com a nota, a Caixa também informa que os produtos e serviços oferecidos são monitorados e existe atuação conjunta com a Polícia Federal e órgãos de segurança pública para identificar e investigar casos suspeitos de fraudes ou golpes.

 Confira nota na íntegra:

“A Caixa realizou a análise do pedido de contestação de saque aberto pela cliente. Em respeito ao sigilo bancário, o resultado da análise foi comunicado diretamente à cliente.

O banco orienta que os cidadãos utilizem única e exclusivamente seus canais oficiais para buscar informações e acesso aos serviços, jamais compartilhando dados pessoais, usuário de login e senha. Senhas e cartões são pessoais e intransferíveis.

A Caixa informa que monitora seus produtos e serviços e atua conjuntamente com a Polícia Federal e demais órgãos de segurança pública na identificação e investigação de casos suspeitos e na prevenção a fraudes e golpes.

O banco esclarece que pedidos de contestação podem ser realizados em qualquer agência da Caixa. Para isso, o cliente precisa comparecer a uma das unidades, portando CPF e documento de identificação.

Caso o cliente desconfie de alguma ligação, importante desligar o telefone, procurar o seu gerente na agência ou retornar para o Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC): 0800 726 01 01, ligando de outro número de telefone ou, preferencialmente, alguns minutos após a ligação suspeita.

A Caixa reforça os principais cuidados que devem ser observados:

Não forneça senhas ou outros dados de acesso em sites ou aplicativos não oficiais, bem como em ligações telefônicas.

Links suspeitos podem levar à instalação de programas espiões, que podem ficar ocultos no celular ou computador, coletando informações de navegação e dados do usuário.

Utilizar sempre navegadores e softwares de antivírus atualizados.

A Caixa jamais solicita senha e assinatura eletrônica numa mesma página, sendo a assinatura digitada somente por meio da imagem do teclado virtual.

A Caixa não envia SMS com link e só envia e-mails se o cliente autorizar.

A Caixa não solicita ao cliente o desbloqueio ou cadastramento de novos dispositivos móveis (celulares).

A Caixa disponibiliza orientações de segurança em seu portal da internet (http://www.caixa.gov.br/seguranca/Paginas/default.aspx).

Em caso de dúvidas, os clientes têm à sua disposição os canais de atendimento ao cliente Caixa, tais como SAC/Ouvidoria, 0800 ou qualquer uma de suas agências (http://www.caixa.gov.br/atendimento).”

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

Golpistas se passam por representantes do Hospital Azambuja e instituição faz alerta

Um alerta de golpe utilizando o nome do Hospital Azambuja foi feito pelo Hospital Arquidiocesano Cônsul Carlos Renaux, o Hospital Azambuja, na tarde desta quarta-feira (3). Nele, a instituição nega que seus médicos liguem pedindo valores para o pagamento de exames por telefone ou Whatsapp. Na tentativa de golpe, os criminosos solicitavam o depósito de valores para uma determinada conta bancária alegando a necessidade de exames ou procedimentos para...
Continuar lendo...

Pela primeira vez, Matriz de Risco não indica regiões no nível gravíssimo, em SC

A Matriz de Risco Potencial Regionalizado em Santa Catarina não registrou, pela primeira vez, regiões em risco gravíssimo, indicadas pela cor vermelha no mapa divulgado pelo Estado. A versão divulgada neste sábado (9) também não indica a incidência de regiões no grava, demarcadas pela cor laranja. Ao todo são 13 regiões com risco potencial alto, em amarelo, além de quatro no risco potencial moderado, na cor...
Continuar lendo...

Diretor-geral da OMS e ministro falam de aumentar produção de vacina

O diretor-geral da Organização Mundia da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus e o ministro da Saúde do Brasil, Marcelo Queiroga, , reuniram-se neste domingo (5) e conversaram sobre o aumento da produção e compartilhamento da vacina covid-19 no Brasil e na América Latina.  Em suas redes sociais, Tedros disse que as duas autoridades também trataram de assuntos como a variante Delta, a necessidade de controlar a transmissão...
Continuar lendo...