Sancionada lei de combate à violência contra mulheres

O presidente Jair Bolsonaro sancionou ontem (28) o projeto de lei que cria o programa de cooperação Sinal Vermelho para combater a violência doméstica contra as mulheres. Com a medida, o governo, o Ministério Público e a Defensoria Pública poderão firmar parcerias com estabelecimentos privados para ajudar a encaminhar denúncias contra os agressores.

A sanção, realizada durante cerimônia no Palácio do Planalto, oficializa para todo o país a medida, que foi implantada inicialmente pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) para incentivar as vítimas de violência doméstica a denunciarem agressões nas farmácias.

Nesses casos, os estabelecimentos são treinados para ajudar vítimas de violência. Basta mostrar um X vermelho na palma da mão, pintado com batom ou tinta de caneta, para que o atendente, ou o farmacêutico, entenda tratar-se de uma denúncia e em seguida acionar a polícia.
Durante o evento, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou que o presidente Bolsonaro tem compromisso com o combate à violência contra a mulher.

“É uma lei que já pegou. O Brasil inteiro está fazendo um X na mão. É uma lei que está sendo sancionada, mas que já pegou no Brasil. Eu tenho recebido embaixadores, eu tenho recebido contatos de outros países para entender o que é o X na mão. A gente está fazendo história”, afirmou.

Para a ministra-chefe da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, a sanção do projeto mostra que a sociedade não tolera a violência contra a mulher e que esforços não serão poupados para ampliar a rede de conscientização.

“A violência contra a mulher é um problema de toda a sociedade, e é com coragem e seriedade que a gente tem que tratar a importância dessa pauta”, disse Flávia.

O projeto também altera a Lei Maria da Penha para criar a pena contra a violência psicológica, caracterizada por ameaças, constrangimento, humilhação, ridicularização, chantagem e limitação do direito de ir e vir da mulher. A pena vai variar entre seis meses e dois anos de prisão.

A partir de agora, juízes poderão afastar imediatamente o agressor da convivência com a vítima diante de risco à integridade psicológica da mulher. Atualmente, a restrição ocorre somente diante de risco à integridade física da vítima e dos dependentes.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

Homem teve que ser controlado com arma de choque após agredir companheira

A Polícia Militar foi chamada para atender uma agressão contra uma mulher, em Brusque. Após agredir física e psicologicamente a companheira, o homem teve que ser detido pela Polícia Militar com arma de choque. Os agentes tentaram conversar e conter o agressor, mas não teve jeito, o homem não obedeceu às ordens dos policiais e foi preciso uma medida maior. O casal foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil  
Continuar lendo...

(VÍDEO) Descontrolada, mulher arremessa cadeiras em postinho de saúde de Brusque

A confusão em uma Unidade Básica de Saúde de Brusque (UBS) assustou pessoas que estavam no local, principalmente crianças, e terminou com a Polícia Militar sendo acionada para conter os ânimos. O caso ocorreu na última sexta-feira  (3), no Bairro Nova Brasília. Imagens feitas no local por uma pessoa, a qual não se sabe se era servidor ou algum paciente, mostram uma mulher indignada e nervosa. Ela buscava atendimento para a...
Continuar lendo...

Brusque possui sete pessoas internadas na UTI por conta da Covid-19

O novo boletim epidemiológico divulgado pela Diretoria de Vigilância em Saúde na tarde desta quinta-feira (26), indica que a cidade de Brusque soma 28.588 casos confirmados de Covid-19 desde o início da pandemia. Nas últimas 24 horas, foram notificadas 23 novas ocorrências da doença no município. Do total de infectados, 28.087 pacientes estão recuperados. Há 190 casos ativos e 28 em investigação. Atualmente,...
Continuar lendo...