(VÍDEO) As consequências de ofensas e xingamentos na internet

A internet é uma realidade comercial no Brasil desde 1994, quando surgiu a partir de um projeto piloto da Embratel. Naquela época, foram permitidos acessos à rede mundial de computadores inicialmente através de linhas discadas. Depois, só evoluiu.

Hoje, ela é essencial nas vidas de todos. Trouxe muitos benefícios, aproximou pessoas, mas também tem seus pontos negativos.

A reportagem da Rádio Cidade abordará um dos leques que preocupam: as ofensas e excessos cometidos por quem usa a rede para atacar, xingar, ofender.

Muitos escrevem, falam e se protegem atrás de uma máquina, seja ela um computador ou celular, com a certeza da impunidade.  Ledo engano.

O advogado Rafael Maia esclareceu alguns pontos sobre o assunto. Quais as consequências para quem usa as redes sociais ou outros meios para difamar ou denegrir. Confira na entrevista:

Rádio Cidade - Internet é uma terra sem lei?

Rafael - Hoje, na nossa vida não possível mais separar a o virtual do real. Estamos nessa simbiose e, com as leis, não é diferente. Obviamente que a internet não é uma terra sem lei. A maioria das leis é que vai proteger a honra das pessoas em situações. Digamos, reais, elas também se aplicarão para o campo da internet.

Rádio Cidade - Quais são as formas de buscar os direitos quando ofendido?

Rafael - Existem duas esferas diferentes para a proteção da honra, tanto na parte criminal, quanto na parte civil. Então, por uma mesma ofensa, a pessoa pode tanto buscar a responsabilização criminal do ofensor, por um crime de calunia, difamação, por exemplo. Ou uma indenização por danos morais.

Rádio Cidade - Como funciona na esfera criminal?

Rafael - Na esfera criminal, na prática, são penas muito pequenas e ações privadas. Então, para seguir com essa ação penal, ela vai precisar contratar um advogado, remunerar esse profissional, para no final desse processo, dificilmente, o ofensor ter uma pena realmente grave. São crimes leves, de menor potencial ofensivo.

Rádio Cidade - E na esfera civil?

Rafael - Talvez a esfera civil seja mais proveitosa. Porque ela pode ingressar com uma ação indenizatória e obter uma indenização. Ou seja, a pessoa que ofendeu terá que pagar algum valor para ela, que aí talvez repare mais o dano para a vítima e seja até mais educativo para o ofensor.

Rádio Cidade - O que caracteriza uma ofensa?

Rafael - É impossível para a lei prevê tudo que pode ser dito por alguém. Então, não temos uma lei dizendo que determinada fala é uma ofensa. Isso vai sendo construído caso a caso. Podemos olhar os casos anteriores e imaginar que os juízes vão manter a mesma linha. Mas, basicamente, a gente sabe quando passamos do limite. Eu costumo dizer: se você diria aquela frase, pessoalmente para a pessoa, no ambiente de trabalho, não é ofensa. Provavelmente, e contrário , será uma ofensa. Se você precisa do escudo do computador para falar aquilo.

Rádio Cidade – Uma vez ofendido, como provar?

Rafael - Muita gente usa do print. Ou seja, a captura de tela. Mas tivemos uma decisão recente do STJ, que disse que o print não é uma prova válida, o jeito correto é uma ata notarial. Então, a pessoa se dirige ao cartório, ao tabelionato, leva o celular, e o tabelião descreve o que ele viu e, assim, sai um documento público, que é uma prova considerada 100% válida.

Rádio Cidade – E ofensas a pessoas públicas?

Rafael - Quando você é uma figura pública, a proteção da sua imagem existe, mas ela é mais frágil. Principalmente quando se é um político. Eu não posso estrangular a crítica política que, eventualmente, vai passar um pouquinho do tom. O que pesa mais é quando se entra na vida pessoal.

Rádio Cidade – As pessoas têm procurado entrar com processos por ofensas na internet?

Rafael - Até se tem procura, mas aqui a gente percebe que quando a pessoa tem que arcar com os riscos do processo. A pessoa nos procura, passamos os custos e riscos que todas as ações têm e quem se sentiu realmente ofendida encara, paga e assumem a responsabilidade. Aquelas que talvez não ficaram tão ofendidas, geralmente recuam.

Rádio Cidade – O direito tem se atualização em relação a essa nova realidade?

Rafael – Temos cursos do Direito digital. Somente para isso, pós graduação. Algumas disciplinas optativas também. Esse novo mundo veio para ficar e é interessante que não só o advogado se atualize, mas todos os operadores, ou seja, juízes, delegados. O Direito que se adapta a vida, não a vida as leis.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

“Robótica educacional torna-se uma realidade na rede municipal de ensino de Brusque”

A prefeitura de Brusque, por meio da secretaria municipal de Educação de Brusque (SEME), realizou formação continuada com tema Robótica Educacional, assunto inovador na área da mediação didático-pedagógica. A capacitação teve o objetivo de ajudar os profissionais da educação a refletirem sobre as vantagens da robótica na prática educativa da Educação Infantil até...
Continuar lendo...

Guabiruba tem sete novos casos de Covid-19

A Prefeitura de Guabiruba informou o Boletim Epidemiológico desta terça-feira (17). Foram confirmados sete novos casos de COVID-19, sendo três  homens e quatro mulheres. Ao total, Guabiruba registra 4052 casos de Covid-19, destes, 3979 estão recuperados e 26 estão ainda ativos. O Centro de Triagem não detectou novos suspeitos, pois agora os resultados dos testes saem na hora. No total Guabiruba possui dois cidadãos internados em Brusque,...
Continuar lendo...

Moda Brusque vence Itajaí e fica em primeiro lugar na etapa classificatória do Estadual

A volta do vôlei feminino adulto de Brusque não poderia ser melhor, após quatro anos fora das competições. Com três vitórias em três partidas disputadas em casa e com o apoio de sua torcida, o time da Abel Moda Brusque Vôlei garantiu o primeiro lugar na etapa inicial e confirmou presença na fase final do Campeonato Catarinense 2021 da modalidade.  A primeira posição na chave foi confirmada na manhã...
Continuar lendo...