(VÍDEO) Obra de supermercado gera reação de moradores no Guarani

Vídeos

Polêmica em obra de mercado no Guarani

A obra de construção de um supermercado está causando polêmica no Bairro Guarani, em Brusque. É que o aterro para erguer a estrutura avançou sobre o leito do rio que corta a região, o que seria ilegal e pode levar à comunidade a sofrer sérios problemas futuros com enchentes e alagamentos.

As colocações são de moradores do bairro. Inclusive, um grupo deles entrou com ação junto ao Ministério Público e faz conversas com a Prefeitura sobre o assunto. O embate gira em torno das licenças emitidas pela Fundação Municipal do Meio Ambiente (Fundema).

“Primeiro, o tipo de obra que está sendo feito. Está se transformando em uma grande barragem e que vai ter com consequência o represamento da água do Ribeirão Guabiruba. O nível da água vai aumentar muito e casas onde tradicionalmente se dava 80 centímetros de água agora vai dar dois metros e meio ou três”, destaca Danilo Moritz, que reside na região.

Segundo ele, assim que iniciaram as obras de aterro, a comunidade começou a se movimentar. Já no final do mês de janeiro houve denúncia junto ao Ministério Público, por conta da preocupação com o que estava sendo feito. Mas houve demora do MP em se manifestar e os moradores foram atrás de órgãos ligados à Prefeitura, como Instituto Brusquense de Planejamento, Procuradora Geral do Município e a própria Fundema.

Moradores isentam rede de supermercado de culpa

Moritz isenta a rede de supermercados de responsabilidade, afirmando que as tratativas se deram entre o dono do terreno e a Prefeitura, através da Fudema.

“Tenho certeza disso. É uma empresa que tem uma marca e um nome a zelar, não vão colocar uma instalação para se tornar inimigos da comunidade. Foram enganados”, destaca Moritz.

O problema está tanto no recuo perante a margem do rio. O aterro avançou para dentro do rio, comprimindo o leito do mesmo e mudando a rota de fluxo da água. Com isso, ela fica represada antes de chegar naquele ponto. Moritz afirma, ainda, que o aterro descumpre o que determina a legislação ambiental em relação à via pavimentada.

“A lei é muito clara: 50 centímetros do nível da pavimentação. Só aqui na Rua General Osório, ao lado, o aterro tem amis de dois metros de altura”, pontua, acusando a Fundema de se omitir em relação a isso.

Saída é não judicializar, diz vereador

O assunto envolveu, até agora, também a Câmara Municipal. O vereador Cassiano Tavares (Pode) abordou o tema em uma das sessões plenárias. Ele é morador do Guarani e afirma que é preciso apurar o caso.

Ele comenta que hoje várias conversas com todas as partes e que o assunto divide os próprios moradores do Guarani. O temor é de que haja um impasse a ponto de a questão ir parar na esfera judicial. O que parece inevitável em sua avaliação.

“As informações já não chegavam como queríamos e esses questionamentos não foram respondidos. Se eles respondessem, os moradores poderiam olhar e dizer se estavam satisfeitos ou não. Quando um lado fala uma coisa e outro fala outra, o caminho é a justiça”, frisou ele.

Os moradores formaram um grupo que está cobrando das autoridades a solução do problema. Eles afirmam que não são contra a obra, mas querem evitar que a construção do supermercado com está sendo feita traga consequências graves futuramente quando das cheias.

O que diz a Fundema

A Rádio Cidade fez contato com a Fundema sobre o assunto. A superintendente do órgão, Ana Helena Boos, alega que as licenças emitidas para a execução da obra estão dentro das normas legais. "A área ali é passível de licenciamento ambiental. A empresa entrou com pedido de diagnóstico sócio-ambiental, de redução de recuo de 30 para 15 metros, o que é permitido pela nossa legislação ambiental municipal. Foi apresentada toda a documentação necessária e o diagnóstico foi aprovado com a condicionante de recuperação da mata ciliar", pontua ela.

Segundo Ana, essa recuperação da mata será executada no projeto de enroncamento da obra junto às margens do rio. A Fudema tem acompanhado o andamento dos trabahos, para verificar se tudo é cumprido conforme a aprovaçã do órgão.

A superintendente da Fundema disse, ainda, que o órgão já respondeu a vários ofícios do Ministério Público sobre o assunto. Sobre ação judicial e curso, ela afirma que a autarquia ainda não foi citada e se isso ocorrer vai se manifestar.

Apesar de os próprios moradores terem dito que a rede de supermercados não tem nenhuma relação com o impasse, a Rádo Cidade tentou contato com a mesma sobre o assunto. Até a publicação deste material não houve retorno.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

Guabiruba registrou 11 novos casos de Coronavírus nas últimas 24 horas

No Boletim Epidemiológico divulgado pela prefeitura de Guabiruba na quarta-feira (31) foram contabilizados mais 11 novos casos de Covid-19, confirmados por teste Antígeno, teste rápido e em laboratório particular, sendo oito mulheres e três homens. Ao total, Guabiruba registra 3178 casos de Covid-19, destes, 3050 estão recuperados e 96 estão ainda ativos. O Centro de Triagem não detectou novos suspeitos, pois agora os resultados dos testes...
Continuar lendo...

Covid-19: Brasil tem 3.780 mortes registradas em 24 horas

O Brasil bateu novo recorde de mortes por covid-19 registradas em 24 horas: 3.780. Com essa nova triste marca, superou o maior resultado anterior, do dia 26 de março, quando foram confirmadas 3.650 vidas perdidas para a doença. O total não considerou os dados do estado de Roraima, que não foram incluídos no balanço diário do Ministério da Saúde de hoje (30). Com os novos números, a soma de vidas perdidas para...
Continuar lendo...

Sintricomb foca ações de prevenção a acidentes e doenças do trabalho

O Sindicato dos Trabalhadores nas indústrias da Construção e do Mobiliário de Brusque e região (Sintricomb) neste mês de abril está desenvolvendo ações de prevenção a acidentes e doenças do trabalho. O sindicato está fazendo a distribuição de material didático sobre o assunto. São folders e conversas sobre uso de itens de proteção individual e coletivo,...
Continuar lendo...