(VÍDEO) “A matrícula foi negada em função da sua deficiência”

Vídeos

“A matricula foi negada em função da sua deficiência”

Uma situação delicada aconteceu em Brusque na última semana. Uma aluna com autismo teve a sua matrícula negada no Colégio Cônsul Carlos Renaux. A reportagem da Rádio Cidade conversou com a mãe da criança, que se diz surpresa e nervosa com o que aconteceu. Carmine Nunes Freitas é mãe da Laura, de 12 anos.

Carmine explicou de forma cronológica como aconteceram os fatos. “Fomos em outubro conversar com as pessoas no educandário e explicar que a Laura é autista que teria algumas necessidades. Então, a equipe pedagógica nos recebeu e nós explicamos todas as situações. Foram feitas muitas perguntas, nós esclarecemos e eles pediram para aguardamos que seria marcada uma reunião com o diretor da escola”.

A reunião com o diretor aconteceu no dia seguinte. “Fomos recebidos, muito bem por sinal, pelo diretor da escola, que se mostrou ser um homem muito correto. Queria saber mais sobre a Laura, a conversa foi muito tranquila e proveitosa. Explicamos tudo mais uma vez, falamos que a Laura precisaria ter um professor dois, tudo que a lei de inclusão prevê. não pedimos nada além disso”.

A surpresa veio com uma ligação do educandário. “Na sexta-feira de manhã, fui pega no susto. Recebi a ligação do diretor e ele me disse: estou ligando, porque não vamos matricular a Laura, não temos condições hoje de atendê-la. Eu fiquei muito nervosa, em choque, não esperava uma atitude dessas do colégio mais antigo de Santa Catarina”, contou Carmine.

A mãe disse a reportagem que tentou um novo contato com a escola por telefone e e-mail, mas não foi atendida e que por isso decidiu tomar outras medidas. “Pedimos uma negativa por escrito para escola, dizendo porque a Laura não tinha sido aceita. Eles ignoraram, mandamos e-mails, tentamos telefonar e simplesmente não houve mais conversa. Então, decidimos tomar outras atitudes. Contratamos uma advogada, que fez uma notícia crime e protocolou na Delegacia de Polícia de Brusque”, relatou.

A intenção de Carmine não é mais conseguir a vaga para filha e sim evitar que situações semelhantes voltem a acontecer. “A gente não quer mais a vaga da Laura, não queremos que ela vá em uma escola que não aceita ela. Ela está matriculada em uma escola do estado, a Padre Lux. Queremos sim que outras famílias não passem por isso. Ao nosso ver foi uma atitude preconceituosa, discriminatória, a matrícula foi negada em função da sua deficiência”.

Ela disse que a Laura já está matriculada em outro colégio. “Ela foi muito bem recebida no Padre Lux, agradeço a equipe diretiva e professores pelo acolhimento. Ela já estudou em outras escolas e isso nunca havia acontecido”.

Procurada pela reportagem, a direção do educandário disse que retornaria os questionamentos, mas até a publicação da matéria isso não aconteceu.  

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões