Guedes cita seguro-emprego para ajudar pequenas empresas na pandemia

Parte do programa para evitar demissões em empresas afetadas pela pandemia pode ser financiada por um “seguro-emprego”, disse hoje (11) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em encontro da Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa, ele sugeriu que o governo pague R$ 500 por trabalhador, a cada mês, para preservar o emprego, numa nova rodada de ajuda aos pequenos negócios.

“Por que não dar R$ 500 para ter um seguro-emprego? Em vez de esperar alguém ser demitido e dar R$ 1 mil, vamos evitar a demissão pagando R$ 500 antes. Um seguro-emprego. Em vez de uma cobertura de quatro, cinco meses, como é hoje no seguro-desemprego, vamos fazer uma cobertura de 11 meses, 12 meses pela metade do custo”, declarou o ministro, sem dar mais detalhes.

O ministro prometeu novas medidas de ajuda além do Benefício Emergencial (BEm), que complementa a renda do empregado com jornada reduzida ou contrato suspenso, e do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe). Ele, no entanto, não explicou que novas medidas seriam essas. Apenas disse que as medidas “vêm aí” e serão anunciadas pelo presidente Jair Bolsonaro mais adiante.

Na semana passada, Guedes tinha anunciado que o governo pretendia antecipar o décimo terceiro salário de aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Na ocasião, ele disse que a medida só sairia após a aprovação do Orçamento Geral da União de 2021, ainda em tramitação no Congresso.

Contribuição

No encontro, Guedes ressaltou a importância dos negócios de menor porte para a criação de empregos. “Mais de 90% das empresas e quase 60% do emprego, quase 30% do PIB [Produto Interno Bruto], vêm dos pequenos negócios; sempre tivemos essa consciência”, disse. “As micro e pequenas empresas são a coluna vertebral da economia.”

Ao reafirmar que a economia e a saúde andam juntas, Guedes listou diversas medidas tomadas pelo governo, no ano passado, para enfrentar a crise decorrente da pandemia de covid-19. Mencionou que o governo foi responsável, em conjunto com o Congresso, pela criação do auxílio emergencial em 2020. “Nós fizemos essas medidas. Escrevemos isso e mandamos para o Congresso, que foi trabalhando [aumentando o valor original de R$ 200 para R$ 600]”, comentou.

Dúvidas ou Sugestões

"Trancar não é tratar”, diz coordenadora do Centro Integrado de Atenção Psicossocial de Brusque

A data de 18 de maio é reconhecida como Dia Nacional de Luta Antimanicomial e marca um movimento surgido na década de 80 entre profissionais de saúde, familiares e pacientes dos manicômios, que redigiram um manifesto denunciando os abusos e violação de direitos humanos sofridos pelos pacientes dentro daqueles espaços destinados aos pacientes psiquiátricos. Reivindicaram o fim desse tipo de tratamento e a instalação de...
Continuar lendo...

(Vídeo) Das 262 mortes por Covid-19 em Brusque, três tomaram as duas doses da vacina

Uma dúvida muita frequente na população em Brusque é: será que essa pessoa que faleceu tomou a vacina do Covid? Na tarde desta terça-feira (8), a Secretaria de Saúde divulgou, em coletiva de imprensa, um dado em relação a isso. Até o momento, três mortes das 262 relacionadas ao Coronavírus tomaram as duas doses da vacina. O Infectologista Ricardo Freitas lembra que essas mortes ainda estão em...
Continuar lendo...

(VÍDEO) Após quedas de pessoas e reportagens da Rádio Cidade, Prefeitura e Samae resolvem o problema

Constantemente, a Rádio Cidade recebe chamados da comunidade para fazer algumas reclamações de problemas nos bairros. Na Rua José Cunha, no bairro Nova Brasília, por exemplo, foram várias vezes em que um destes chegou à emissora através dos ouvintes, internautas e expectadores. Um vazamento de água na via estava causando a queda de pessoas na calçada.  Rute Senna Pacheco reside lá e disse que o local, por ser...
Continuar lendo...