Em reunião do Senado, Moisés ressalta necessidade de união em momento crítico da pandemia

O governador Carlos Moisés reforçou a necessidade de união dos entes federativos por conta do momento crítico vivido pelo Brasil na pandemia de Covid-19. A fala foi feita durante uma reunião virtual da Comissão Temporária Covid-19 do Senado Federal na manhã desta quinta-feira, 11. Carlos Moisés também defendeu as compras centralizadas de vacinas pelo Governo Federal no Programa Nacional de Imunização (PNI). De acordo com o chefe do Executivo catarinense, o PNI tem um histórico de sucesso ao longo das décadas.

Além de Santa Catarina, também participaram da reunião os governadores do Ceará, Camilo Santana; do Piauí, Wellington Dias; do Amazonas, Wilson Lima, e da Bahia, Rui Costa. O encontro foi conduzido pelo senador Confúcio Moura (RO) e também contou com a presença do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

Aos parlamentares, o chefe do Executivo catarinense listou as medidas realizadas até o momento para enfrentar a crise sanitária no Estado, como a expansão dos leitos de UTI, o incremento da fiscalização e as medidas restritivas, especialmente durante a madrugada e os fins de semana.

Segundo Carlos Moisés, as novas variantes atingem especialmente os estados do Sul do Brasil neste momento. Por serem mais transmissíveis, elas ocasionaram um incremento exponencial do número de casos e internações.

O governador destacou que, embora os leitos de UTIs estejam ocupados em todo o Estado, os pacientes estão recebendo tratamento.

“Estamos vivendo um momento novo. Há uma diferença clara do que estamos presenciando em 2021 do que vivemos em 2020. É algo extremamente grave. Há alguns comportamentos que intensificam a velocidade de transmissão, como as festas clandestinas. Por isso, estamos aumentando a fiscalização, porém contamos com a colaboração de todos”, afirmou Carlos Moisés.

Os demais governadores ressaltaram a necessidade de se acelerar o ritmo de vacinação em todo o território nacional e as dificuldades para ampliar ainda mais os leitos de UTI por conta da dificuldade de contratação de profissionais. “É uma guerra de todos nós”, ressaltou o governador do Amazonas, Wilson Lima.

Eles concordaram que para superar a crise do desabastecimento é necessária a intervenção do Ministério da Saúde para que não se deixe nenhum Estado desassistido na compra de insumos para o enfrentamento à doença.

“Há uma demanda intensa também por parte de quem vende os itens que se precisa neste momento no país. De sete itens que cotamos para aquisições, recentemente, apenas um conseguimos o fechamento e, deste, dos 30 mil que precisávamos, apenas três mil foram ofertados ao Estado. A nossa defesa, portanto, é que, assim como é feito com o PNI, o Ministério da Saúde centralize essas compras e não deixe ninguém desabastecido”, finalizou Carlos Moisés.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

Programa que reduz jornadas e salários de empregados vai voltar, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (25) que o governo vai reeditar o programa que permite a redução de jornadas e salários ou suspensão do contrato de trabalho. O Benefício Emergencial para Preservação do Emprego e da Renda (BEm), como foi batizado o programa, vigorou até o final do ano passado e, segundo o governo, ajudou a preservar cerca de 10,2 milhões de empregos e mais de 1,5 milhão de...
Continuar lendo...

“Não foi tirada a estabilidade da ponte por conta das escavações”, afirmou engenheiro

Na noite de quarta-feira (21) por volta das 20h30 a cabeceira da ponte João Libério Benvenutti, conhecida como a ponte da Bilu, ou Santos Dumont acabou caindo. Ninguém ficou ferido. Após o fato diversos questionamentos começaram a serem feitos em relação a motivação do fato. Para esclarecer a prefeitura chamou a impressa para uma coletiva no final da tarde desta quinta-feira (22), no Salão Nobre, onde participaram o prefeito...
Continuar lendo...

Assembleia Legislativa autoriza Governo do Estado a investir recursos em rodovias federais

O Governo do Estado poderá investir recursos estaduais na melhoria de estradas federais em Santa Catarina. Na sessão desta terça-feira, 1º de junho, os deputados da Assembleia Legislativa (Alesc) rejeitaram o veto do então governo interino aos projetos de leis do próprio Executivo que tratam do tema. As propostas autorizam a aplicação de até R$ 350 milhões de dinheiro do Estado para acelerar as obras nas BRs 470, 280 e 163....
Continuar lendo...