Pazuello espera vacinar 170 milhões de brasileiros até o fim deste ano

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse hoje (25) que espera imunizar até junho 50% da população vacinável do país, atingindo 100% até o final do ano. Pelos cálculos do ministro, isso totalizaria cerca de 170 milhões de brasileiros. Segundo Pazuello, a conta exclui as pessoas que estão na faixa etária até 18 anos, mulheres grávidas, portadores de comorbidades graves e pessoas imunodeprimidas. “Tem pessoas que ainda não podem ser vacinadas.”

Pazuello informou que, desde o início da campanha de vacinação até o momento – em torno de 35 dias –, foram distribuídos entre 13 milhões e 14 milhões de doses de vacina. “É uma vitória do nosso país, com produção própria, em alguns casos; com importação, em outros; e com a capacidade logística de distribuir isso para os estados e para 5.570 municípios de forma simultânea.”

De acordo com o ministro, não existe nenhuma ação que não esteja sendo feita para garantir a vacinação. Pazuello destacou que foram contratadas todas as vacinas “possíveis de ser contratadas. Falo do cronograma com contratos assinados e entregues”. Quem não cumprir os contratos sofrerá medidas cabíveis, advertiu.

Pazuello ressaltou a responsabilidade de cada um no Sistema Único de Saúde (SUS) neste momento da pandemia. “Não podemos deixar de fazer nada”. Ele afirmou que, na ponta da linha, os secretários estaduais e municipais de Saúde e os diretores de hospitais têm que fazer de tudo para aumentar a capacidade de atendimento, de pronto atendimento “e de salvar vidas”.

O ministro prometeu apoio aos secretários, “com tudo que for necessário”, e se disse convicto de que não deixou nada, nem ninguém para trás.

Cepas
Pazuello admitiu que diversas cepas do coronavírus já estão no Brasil e destacou que o modo como se desenvolvem em cada cidade e região depende de fatores climáticos, sociais, de saneamento e de cultura.

Segundo o ministro, em Manaus, as medidas implementadas reduziram o número de pacientes infectados, inclusive em unidades de terapia intensiva (UTIs). “Hoje, a informação é que não haveria mais fila em Manaus. É uma grande notícia e isso mostra resultados de um grande trabalho.”

Ele informou, porém, que o número de casos aumentou no oeste do Pará, em Belém, nas capitais do Ceará e da Paraíba, em Goiás, na cidade catarinense de Chapecó e no Rio Grande do Sul, com pontos focais subindo. “Na nossa visão, estamos enfrentando uma nova etapa da pandemia. Ela tem esse vírus mutável que nos dá três vezes mais contaminação. E a velocidade com que isso acontece em pontos focais pode surpreender o gestor em termos de estrutura de apoio. Essa é a realidade que nós vivemos hoje no Brasil.”

O ministro disse que a nova realidade não está centrada apenas no Norte e Nordeste do país, como ocorreu em 2020 e que há outros locais impactados agora. Por isso, destacou a necessidade de o país estar alerta e preparado para combater o vírus.

Com esse objetivo, Pazuello citou três grandes ações. A primeira é o atendimento imediato nas unidades básicas de saúde. A segunda envolve a estruturação da capacidade em leitos para atendimento, incluindo desde recursos humanos e equipamentos até o uso de leitos remoto, ou seja, remoções. E a terceira é a vacinação. “Com essas três grandes estratégias, nós vamos enfrentar a pandemia nessa nova etapa”, afirmou.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

Aeroportos de Navegantes e Joinville são colocados em leilão

O governo federal retomou nesta quarta-feira (07) a agenda de privatizações intitulada Infra Week. Ao todo são 22 aeroportos que irão a leilão. O chamado Bloco Sul, compõe Curitiba (PR), Foz do Iguaçu (PR), Navegantes (SC), Londrina (PR), Joinville (SC), Bacacheri (PR), Pelotas (RS), Uruguaiana (RS) e Bagé (RS). Este bloco que inclui Joinville, Navegantes, tem lances mínimos de R$130,2 milhões.  Isso significa um...
Continuar lendo...

Guabirubense possui quase 800 casinhas criativas de pássaros já fabricadas

“Eu me encontrei! É isto o que eu gosto de fazer”, diz Leonardo Fischer sobre a paixão por fabricar casinhas para pássaros. Filho do falecido prefeito de Guabiruba Ivo Fischer, Leonardo sempre teve o sonho de trabalhar com marcenaria. Após conhecer sua esposa, o guabirubense aprendeu com o sogro sobre o mundo das madeiras, e desde lá, vêm produzindo artigos do ramo por puro lazer. Leonardo, que é também proprietário de...
Continuar lendo...

Acadêmico de Brusque pede ajuda para terminar curso e ser médico

Não se tem limites para os sonhos. Não há obstáculo que não se vença quando a vontade de fazer o bem é maior. Pedir ajuda é um gesto nobre. Ajudar também. A reportagem da Rádio Cidade foi conhecer a história do acadêmico de medicina Bruno Arnon Bittencourt, morador de Brusque, do bairro Azambuja e que está precisando de apoio para encaminhar a faculdade de medicina na Unifebe. Bruno contou como surge o...
Continuar lendo...