Deputados apresentam mais de 30 projetos para anular decretos de Bolsonaro sobre armas


Cerca de 30 projetos de decreto legislativo (PDLs) protocolados na Câmara dos Deputados na quarta-feira (17) pretendem anular quatro decretos do presidente Jair Bolsonaro que facilitam o uso e a compra de armas de fogo no País.
Os decretos 10.627/21, 10.628/21, 10.629/21 e 10.630/21, que modificam o Estatuto do Desarmamento, foram publicados em edição extra do Diário Oficial da União na noite da última sexta-feira (12) e entram em vigor em 60 dias.
As novas normas aumentam de quatro para seis o número de armas de fogo que um cidadão comum pode comprar e autorizam pessoas com direito ao porte de carregarem até duas armas de fogo ao mesmo tempo – antes o porte era concedido para uma arma especifica, sem definir a quantidade.
Outra mudança permite que profissionais com direito a porte de armas, como integrantes das Forças Armadas e das polícias e membros da magistratura e do Ministério Público, possam adquirir até seis armas de uso restrito, como rifles e submetralhadoras.
Os textos também ampliam o acesso de colecionadores, atiradores e caçadores (CACs) a armas e munições sem a necessidade de autorização do Exército: até 60 armas para atiradores e até 30 armas para caçadores. Os CACs passam ainda a ter direito de comprar, por ano, insumos para recarga de até 2 mil cartuchos para armas de uso restrito e para até 5 mil cartuchos de armas de uso permitido.

Competência do Congresso
Para o líder do PT, deputado Enio Verri (PR), e outros 40 deputados do partido, autores dos PDLs 20/21, 21/21, 22/21 e 23/21, o presidente da República vem se valendo do poder de regulamentar leis, via decreto, para avançar sobre a competência do Congresso Nacional de legislar sobre o controle de armas no País.
Facilitar o acesso
Presidente das frentes parlamentares da Segurança Pública e dos CACs, o deputado Capitão Augusto (PL-SP) disse que os decretos foram muito bem elaborados e dificilmente serão derrubados na Câmara.

Supremo
Em outra frente, o PSB pediu na quarta-feira (17) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a suspensão dos quatro decretos. "Os decretos permitem verdadeiros arsenais pela população civil, levando-se em consideração o limite máximo de armas de uso permitido e restrito, bem como a quantidade de munição e acessórios oferecidos. Desse modo, a ausência de fiscalização rígida pelo Comando do Exército e o incentivo à aquisição da arma de fogo implicará no aumento da mortalidade do Brasil", afirma o partido na ação impetrada na corte.

Dúvidas ou Sugestões

Guabiruba não registra novos casos de Covid-19 neste domingo

Em boletim epidemiológico deste domingo, 21, nenhum novo casos foi confirmado em Guabiruba. Ao total, Guabiruba registra 2648 casos de Covid-19, destes, 2564 estão recuperados e 62 estão ainda ativos. O Centro de Triagem não detectou novos suspeitos, pois agora os resultados dos testes saem na hora. No total Guabiruba possui seis cidadãos internados em Brusque: quatro na enfermaria e dois na UTI. Até agora, Guabiruba possui 22 óbitos pelo...
Continuar lendo...

Diretora de RH rebate acusação de ilegalidade em processo seletivo da Saúde

A Rádio Cidade foi procurada na última semana por uma servidora da área da saúde que se mostrou insatisfeita em relação aos prazos de contratações emergenciais da Prefeitura de Brusque. Ela diz que, na sua visão, isso é uma forma de beneficiar quem está na lista de espera. É que profisisonais que fizeram o mesmo procesos seletivo estão sendo chamados para contratos de um ano, sendo que o dela e...
Continuar lendo...

Prazo para entregar a declaração começa em 1° de março

A Declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física de 2021, calendário ano-base 2020, deverá ser enviada à Receita Federal entre 1º de março e 30 de abril. A partir desta quinta-feira (25) o programa para fazer a declaração estará disponível para o contribuinte. Restituição Como em 2020, neste ano serão mantidos cinco lotes de restituição. O primeiro em 31 de maio e o...
Continuar lendo...