Deputados apresentam mais de 30 projetos para anular decretos de Bolsonaro sobre armas


Cerca de 30 projetos de decreto legislativo (PDLs) protocolados na Câmara dos Deputados na quarta-feira (17) pretendem anular quatro decretos do presidente Jair Bolsonaro que facilitam o uso e a compra de armas de fogo no País.
Os decretos 10.627/21, 10.628/21, 10.629/21 e 10.630/21, que modificam o Estatuto do Desarmamento, foram publicados em edição extra do Diário Oficial da União na noite da última sexta-feira (12) e entram em vigor em 60 dias.
As novas normas aumentam de quatro para seis o número de armas de fogo que um cidadão comum pode comprar e autorizam pessoas com direito ao porte de carregarem até duas armas de fogo ao mesmo tempo – antes o porte era concedido para uma arma especifica, sem definir a quantidade.
Outra mudança permite que profissionais com direito a porte de armas, como integrantes das Forças Armadas e das polícias e membros da magistratura e do Ministério Público, possam adquirir até seis armas de uso restrito, como rifles e submetralhadoras.
Os textos também ampliam o acesso de colecionadores, atiradores e caçadores (CACs) a armas e munições sem a necessidade de autorização do Exército: até 60 armas para atiradores e até 30 armas para caçadores. Os CACs passam ainda a ter direito de comprar, por ano, insumos para recarga de até 2 mil cartuchos para armas de uso restrito e para até 5 mil cartuchos de armas de uso permitido.

Competência do Congresso
Para o líder do PT, deputado Enio Verri (PR), e outros 40 deputados do partido, autores dos PDLs 20/21, 21/21, 22/21 e 23/21, o presidente da República vem se valendo do poder de regulamentar leis, via decreto, para avançar sobre a competência do Congresso Nacional de legislar sobre o controle de armas no País.
Facilitar o acesso
Presidente das frentes parlamentares da Segurança Pública e dos CACs, o deputado Capitão Augusto (PL-SP) disse que os decretos foram muito bem elaborados e dificilmente serão derrubados na Câmara.

Supremo
Em outra frente, o PSB pediu na quarta-feira (17) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a suspensão dos quatro decretos. "Os decretos permitem verdadeiros arsenais pela população civil, levando-se em consideração o limite máximo de armas de uso permitido e restrito, bem como a quantidade de munição e acessórios oferecidos. Desse modo, a ausência de fiscalização rígida pelo Comando do Exército e o incentivo à aquisição da arma de fogo implicará no aumento da mortalidade do Brasil", afirma o partido na ação impetrada na corte.

Dúvidas ou Sugestões

Foragido procurado pela Interpol é capturado em Bombinhas

Um homem de 32 anos foi preso preventivamente pela Polícia Federal nesta quarta-feira (6), em Bombinhas. O cidadão argentino estava na lista da Difusão Vermelha da Interpol e era procurado pela Justiça da Província de Rio Negro, na Argentina, onde responde por crimes de ameaça e coação contra a excompanhaira, além de desobediência judicial.  Segundo informações da Polìcia Federal, ele estava de...
Continuar lendo...

Luciano Hang está entre os 10 bilionários do Brasil, diz revista

O empresário brusquense Luciano Hang, dono da Havan, voltou para a lista dos dez homens mais ricos do Brasil. Segundo a revista Forbes, a fortuna está avaliada em US$ 4,8 bilhões, cerca de R$ 22,3 bilhões. Em 2020, o empresário já havia ocupado o 10º lugar mais rico do país, segundo a Forbes. Em 2021, no entanto, perdeu o posto. Ainda conforme a revista, Hang ficou 2,1 bilhões de dólares mais rico de 2021 para 2022, de...
Continuar lendo...

Avaí e Chapecoense disputam primeiro jogo da final neste domingo

Avaí e Chapecoense entram em campo neste domingo (23), no primeiro jogo da final do Campeonato Catarinense. A partir das 16 horas, as duas equipes se enfrentam no estádio da Ressacada, em Florianópolis. Para chegar a final, o Avaí eliminou o Brusque. Após empate em 0 a 0 em Florianópolis, o Avaí venceu fora de casa o Brusque por 1 a 0. Já Chapecoense enfrentou o Marcílio Dias, no primeiro jogo a equipe do oeste conseguiu uma...
Continuar lendo...