Projeto que reajusta o salário mínimo estadual chega à Assembleia

O projeto de lei complementar (PLC) que trata do reajuste do salário mínimo estadual deu entrada na Assembleia Legislativa de Santa Catarina na manhã da última sexta-feira (12). O Poder Executivo, autor da proposta, solicitou que a matéria tramite em regime de urgência.

Conforme anunciado pelo governo no começo da semana, o reajuste médio para as quatro faixas salariais do mínimo estadual será de 5,45%. Esse montante foi acordado entre as federações patronais e os representantes das entidades de trabalhadores do estado. Com isso, as quatro faixas irão variar entre R$ 1.281,00 e R$ 1.467,00.

O PLC, ainda sem número, entrará em tramitação assim que foi lido no Expediente, em sessão ordinária da Alesc. A proposta passará pelas comissões permanentes da Casa, antes de ser votada em Plenário.

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria Executiva de Comunicação, na primeira faixa, o salário passará de R$ 1.215,00 para R$ 1.281,00. Estão contemplados trabalhadores da agricultura e da pecuária; nas indústrias extrativas e beneficiamento; em empresas de pesca e aquicultura; empregados domésticos; em turismo e hospitalidade; (Redação da alínea revogada pela LPC 551/11); nas indústrias da construção civil; nas indústrias de instrumentos musicais e brinquedos; em estabelecimentos hípicos; empregados motociclistas, motoboys, e do transporte em geral, com exceção dos motoristas.

Na segunda faixa, o salário passará de R$ 1.260,00 para R$ 1.329,00. Esse grupo contempla os trabalhadores nas indústrias do vestuário e calçado; nas indústrias de fiação e tecelagem; nas indústrias de artefatos de couro; nas indústrias do papel, papelão e cortiça; em empresas distribuidoras e vendedoras de jornais e revistas e empregados em bancas, vendedores ambulantes de jornais e revistas; empregados da administração das empresas proprietárias de jornais e revistas; empregados em empresas de comunicações e telemarketing; e nas indústrias do mobiliário.

A terceira faixa passará a ter um salário mínimo de R$ 1.404,00 (atualmente é R$ 1.331,00). Compõem esse grupo os trabalhadores nas indústrias químicas e farmacêuticas; nas indústrias cinematográficas; nas indústrias da alimentação; empregados no comércio em geral; empregados de agentes autônomos do comércio.

A quarta faixa terá um mínimo de R$ 1.467,00 (atualmente é R$ 1.391,00). Esse grupo contém os trabalhadores nas indústrias metalúrgicas, mecânicas e de material elétrico; nas indústrias gráficas; nas indústrias de vidros, cristais, espelhos, cerâmica de louça e porcelana; nas indústrias de artefatos de borracha; em empresas de seguros privados e capitalização e de agentes autônomos de seguros privados e de crédito; em edifícios e condomínios residenciais, comerciais e similares, em turismo e hospitalidade; nas indústrias de joalheria e lapidação de pedras preciosas; auxiliares em administração escolar (empregados de estabelecimentos de ensino); empregados em estabelecimento de cultura; empregados em processamento de dados; empregados motoristas do transporte em geral; empregados em estabelecimentos de serviços de saúde.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

Homem é preso por estuprar filha com deficiência

A Polícia Civil cumpriu na manhã desta sexta-feira (12) um mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça contra um homem de 47 anos. Ele é suspeito de estupro de vulnerável majorado pela condição de pai da vítima em continuidade delitiva. A ação foi da Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAMI) de São José. De acordo com as...
Continuar lendo...

Comércios são fechados e ótica é interditada após descumprirem decreto estadual

Uma ótica recebeu um Termo de Irregularidade Administrativa e foi interditada após descumprir o decreto estadual neste sábado (27), em Brusque. De acordo com a Polícia Militar, outros comércios precisaram ser fechados acreditando estarem no rol dos estabelecimentos considerados essenciais. Ainda conforme a Polícia, esse mau entendido se deu principalmente por conta de interpretação errônea de decretos antigos que permitiam a...
Continuar lendo...

Vereador propõe compra de vagas em creches privadas para atender demanda de Brusque

O vereador André Rezini (Republicanos) está sugerindo que a Prefeitura de Brusque compre vagas de creche em unidades privadas para atender a demanda. De acordo com o parlamentar, outros municípios têm usado essa opção. “Nós vimos que cidades vizinhas, como é o caso de Itajaí, que em 2020 fez uma compra de 1.600 vagas das redes particulares de ensino. Logicamente precisa ser feito licitação, estudos, mas...
Continuar lendo...