Celebração do Dia Mundial dos Enfermos foi marcada por muita emoção em Brusque

O Dia de Nossa Senhora de Lourdes, 11 de fevereiro, mais uma vez recebeu uma missa solene na igreja localizada no bairro São Pedro, em Brusque, e que a tem como padroeira. Muitos fiéis fizeram questão de acompanhar a celebração, com um pedido especial: saúde e cura às pessoas doentes, já que a data também celebra o Dia Mundial dos Enfermos. Presidida pelo padre Lúcio Tardivo, da Comunidade Bethânia e concelebrada pelo pároco da Paróquia São Luís Gonzaga, padre Diomar Romaniv, a missa contou com muitos momentos de reflexão. 

Padre Lúcio pediu a todos para que se unam em oração pelo mundo inteiro e pelo Brasil, diante da pandemia da Covid-19. Devoto de Nossa Senhora de Lourdes, ele também fez questão de enaltecer a necessidade de ajudar o próximo, de levar alento a quem precisa. “Cada um de nós é chamado a olhar para Nossa Senhora e ter nela uma motivação para ajudar as pessoas que precisam. Sempre vemos Maria sendo um canal de Deus com as pessoas. Que a tenhamos como exemplo! Não basta rezar uma Ave-Maria e ficarmos de braços cruzados quando alguém precisa de nós. Temos que ir ao encontro do irmão, daquele que está doente.

Quantos de nós, idosos, estão morrendo de depressão? Temos que ser o braço de Deus, temos que levar alegria para as pessoas. Às vezes a pessoa está triste, deprimida, está com problemas, mas quando encontra alguém que é amigo, alguém que de fato tenha uma mensagem de amor, de felicidade, isso a ajuda a sair do seu problema. Nossa missão como cristãos é levar a
boa nova de Jesus, que é o Evangelho, esperança para todas as pessoas”, ressaltou.

Durante a missa, padre Lúcio realizou a bênção da água, que pode ser levada pelos fiéis ao término da celebração. Em seguida, aconteceu o momento mais emocionante da noite. Por alguns segundos a Igreja ficou totalmente no escuro, e a chama das velas foi compartilhada entre todas as pessoas, que iluminaram o templo, para receber a procissão do Santíssimo Sacramento.

Espiritualidade e pandemia
Padre Diomar relembrou a história de Nossa Senhora de Lourdes e do Santuário na França, visitado todos os anos por milhares de fiéis. “O santuário em Lourdes é uma das experiências significativas onde muitos peregrinos vão pedir a cura, e nós tentamos viver aqui na comunidade um pouco do que se vive lá em Lourdes”, comentou.

Nesse momento de pandemia, onde o planeta está doente, o pároco enalteceu a importância da oração e da fé. “Nossa primeira certeza é de que Deus é o Deus da vida. Nós sabemos que a passagem nesse mundo é marcada também pelas fragilidades, pelas limitações e pela doença. Claro que ninguém quer sofrer, fazer ou ver os outros sofrerem. Nós como padres temos acompanhado sempre, e agora de maneira ainda mais forte, a situação do luto, a angústia, o medo que toda essa pandemia envolve. E temos sido e procurado ser canal de esperança, de consolo, na certeza de que ninguém está sozinho. Como diz o Papa Francisco, ‘estamos no mesmo barco, remando juntos para vencer esta pandemia’, com o esforço de cada um, cumprindo as restrições, cuidando da sua saúde e assim cuidando dos outros, alimentando a chama da esperança e da fé. Fizemos isso no ano passado de maneira muito intensa, sobretudo no tempo em que não havia celebrações abertas e continuamos fazendo por transmissão online, porque sabemos que a Palavra de Deus é luz e é essa luz que queremos transmitir aos fiéis”, enfatizou.

 

 

Dúvidas ou Sugestões