Ambulância do Samu de Brusque só será trocada em 2022

Atualmente o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, o Samu de Brusque está em funcionamento com uma ambulância cedida pelo município. O veículo, tradicional, do Governo Federal, está na mecânica, apresentou um superaquecimento no motor. O coordenador do Samu de Brusque, Álvaro de Carvalho, em entrevista à Rádio Cidade esclareceu alguns pontos sobre o atendimento. 

Álvaro disse que está sendo solicitado junto a Secretaria Estadual de Saúde o empréstimo por tempo determinado de uma ambulância específica para o Samu. “Além disso, estamos em processo de licitação para locação de uma, pois ocorrerá substituição deste veículo pelo Governo Federal apenas em 2022. Esta licitação conterá cláusulas que minimizarão a baixa do serviço em nossa municipalidade”, explicou. 

Conforme ele, o Samu de Brusque, mantém os padrões e protocolos definidos pelo Governo Federal, tendo em vista que o serviço está vinculado ao Ministério da Saúde. A ação do Samu é destinada ao atendimento e resgate de pacientes em situações de urgência e emergência, seja na rua ou em domicílio, onde haja a necessidade de intervenção especializada imediata e remoção para Unidades de Saúde com atendimento de pronto socorro. “O acionamento do Samu deve ocorrer através de sua Central de Regulação das Urgências, através do número único nacional 192. Com base nestas informações, nota-se que o serviço possui subordinação direta com Central de Regulação das Urgências, ou seja, só pode realizar atendimentos com a autorização da Central”, explicou. A equipe de além de Brusque atende Botuverá e Guabiruba. 

Atualmente o quadro funcional do Samu é composto por um motorista socorrista e um técnico de enfermagem que atuam diretamente no serviço de Atendimento Pré-Hospitalar, 24 horas ao dia, conforme a portaria ministerial. “Além destes profissionais, possuímos uma enfermeira que exerce suas funções laborais por oito horas ao dia de segunda a sexta feira”, explicou o coordenador. 

A central do Samu de Brusque é em Blumenau, questionado sobre o que impede o município ter a sua central, Álvaro explica, que primeiramente, deve estar pactuado no Plano Estadual de Atendimento as Urgências e Emergências. “O município deve possuir características macrorregionais definidas em portarias específicas”, esclarece.
Finalizando ele ressalta que o Samu recebe verba mensal do Governo Federal definidas em portarias específicas.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões