Julgamento de Moisés no 1º pedido de impeachment será no dia 27

O presidente do Tribunal Especial de Julgamento, desembargador Ricardo Roesler, marcou para o próximo dia 27, uma sexta-feira, a sessão de julgamento do governador afastado Carlos Moisés da Silva (PSL) no primeiro pedido de impeachment, referente ao reajuste salarial dos procuradores do Estado. A sessão será às 9 horas, no plenário da Assembleia Legislativa.

No dia, os cinco deputados e cinco desembargadores que integram o tribunal vão decidir se Moisés cometeu crime de responsabilidade na concessão do reajuste que visou à equiparação dos salários dos procuradores do Estado com os vencimentos dos procuradores da Alesc, concedido em outubro do ano passado. Se for considerado culpado por sete dos 10 membros do tribunal, ele perderá o cargo em definitivo.

Roteiro

A sessão de julgamento terá início pela leitura dos pontos principais do processo. Após eventuais questões de ordem, Moisés e Ralf Zimmer Junior, autor da denúncia, poderão se manifestar por até 30 minutos cada e, sem seguida, ser interrogados pelo presidente do tribunal, pelos demais membros, pela defesa e pela acusação.

Terminadas as manifestações, serão realizados os debates orais. Defesa e acusação poderão usar a palavra por até 90 minutos, cada, com a possibilidade de réplica e tréplica para cada parte de 60 minutos.

Encerrados os debates, o presidente do tribunal chamará os 10 julgadores, um a um, para discutir o objeto da acusação. Findadas as discussões, o presidente do tribunal apresentará relatório resumido dos fundamentos da acusação e da defesa, bem como as provas, para dar início à votação. Se houver necessidades de esclarecimentos, poderá ser concedida vista coletiva aos julgadores, pelo prazo de cinco dias.

Para que a votação ocorra, é necessário quórum mínimo de 2/3 do tribunal (sete julgadores). Eles responderão, com sim ou não, se Moisés cometeu crime no reajuste dos procuradores e se deve ser condenado à perda do cargo. Se não houver quórum, a sessão será suspensa e designada uma nova data.

Caso o "sim" pela condenação receba pelo menos sete votos (2/3 dos julgadores), o governador será destituído do cargo e inabilitado para o exercício da função pública. Se Moisés for absolvido, ele retornará ao comando do Estado.
Agencia AL

Dúvidas ou Sugestões

Funcionários da Havan protestam contra lockdown em Umuarama

A equipe da Havan de Umuarana, no noroeste do Paraná, organizou um protesto no domingo (29) reivindicando o direito de manter as atividades da megaloja e também do restante do comércio local. Com o slogan #QueremosTrabalhar, a manifestação aconteceu na rodovia 323, que passa em frente à loja situada na cidade. Nesta segunda-feira, 30, deve acontecer um novo protesto, desta vez também em frente da Prefeitura. O protesto reforça o total...
Continuar lendo...

Eleitores relatam dificuldades para justificar voto pelo e-título

Instabilidades pelo grande número de acesso tem trazido transtorno a alguns eleitores que tentam justificar o voto neste domingo (15), pelo aplicativo e-Título. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), "pode haver instabilidade momentânea no uso do aplicativo em razão do excesso de acessos." Este ano o aplicativo teve 12,8 milhões de downloads, a orientação da Justiça Eleitoral nesses casos é esperar um...
Continuar lendo...

Corpo da vitima do acidente será velado no Parque da Saudade

O corpo de Gilmar José Horr (43), que morreu após um acidente de trânsito na Rua Florianópolis, em Brusque, será velado na capela mortuária do Cemitério Municipal Parque da Saudade. O acidente aconteceu na noite de ontem, por volta de 22 horas. De acordo com informações Funerária Estrela, o velório acontece a partir da tarde de hoje. O corpo será cremado no domingo (15).  Gilmar ela natural de Angelina...
Continuar lendo...