Setor de eventos elabora proposta para retorno às atividades

O setor de eventos é um dos mais afetados com os reflexos da pandemia do Coronavirus em todo mundo. Na cidade de Brusque isso não é diferente, com profissionais do setor amargando prejuízos atrás de prejuízos. Tanto que um manifesto foi organizado por representantes do setor na tarde de ontem, terça-feira (15), na Praça Sesquicentenário, no Centro.

Assessora de eventos e cerimonialista, Ellen Dellagnolo conta que o trabalho não parou neste período, apesar de não ter faturamento financeiro. Isso porque muitos dos eventos que estavam programados e que precisaram ser suspensos por conta da pandemia estão sendo reagendados.

"Agora, temos todo um acúmulo, com as transferências de datas. É uma carga emocional muito pesada, transferir os sonhos. Sobre a questão financeira,  realmente estamos há seis meses sem renda, todo o setor", comenta ela.

As empresas maiores e que tinham uma reserva financeira conseguiram se manter, mas a demora no retorno das atividades está fazendo com que o dinheiro acabe. As pequenas, como já se imaginava, estão tendo que se reinventar, quando não fechar as portas.

Ellen relata que eventos como casamentos para um grande número de pessoas, acima de 200, estão sendo adiados. Pelo menos em relação a sua cartela de clientes.

"Os casamentos menores, estamos mantendo lá para outubro, novembro, com a perspectiva de que a situação melhore".

Representantes do setor estão elaborando um protocolo, com uma série de regras, para ser apresentado às autoridades. Segundo Ellen, isso será feito tanto em âmbito municipal quanto no próprio estado.

Entre as propostas que estão sendo discutidas estão a de manter as mesmas regras hoje aplicadas aos restaurantes, com uso de máscaras e a retirada das mesmas apenas para alimentação nas mesas, bem como a não realização o uso de espaços para danças, como acontecem, principalmente, nas formaturas.

A decoradora Janine Vogel afirma que sua atividade também sente de forma direta os impactos da pandemia. O retorno da atividade depende muito da realização ou não dos eventos.

"No meu caso, se eu fizer uma decoração para 30, 50 ou mais pessoas, não muda muita coisa. Esse é o momento em que a gente tem que pensar que não há como fazer eventos maiores", pontua ela.

O governo do estado tem autorizado a retomada de atividades em áreas não consideradas de risco grave ou gravíssima para contaminação da covid-19. O que não é, neste momento, o caso de Brusque. A cidade está inserida em uma região de grau grave, segundo a Secretaria de Estado da Saúde. 

Os representantes do setor de eventos esperam entregado nos próximos dias a proposta de protocolo, buscando sensibilizar as autoridades para liberar os mesmos.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões