Ficar longe dos netos é o drama dos avós na pandemia

Há muitos ditados que falam sobre o sentimento dos avós para com seus netos. Nenhum, no entanto, consegue descrever o calor de um gostoso abraço, o aconchego do toque, da presença e do contato físico. O distanciamento tem sido a maior tortura para os avós e netos nestes tempos de pandemia.

Situação que Salvelina Pedrini Amorim sabe bem como é. Avó de três crianças (João Vitor, Olívia e Lucas), ficar longe deles tem sido um dilema. Em cada espaço da casa em que ela e o esposo vivem, em Guabiruba, estão detalhes que lembram a cada minuto a presença das crianças.

“O que doeu mais foi no Dia das Mães. Eles vieram para me cumprimentar e eu não pude abraçar meu neto. Não pude pegar ele no colo. Aquilo me doeu. Se me perguntar o que te marcou durante a pandemia foi esse momento, de eu não poder abraçar meu neto”, relata entre lágrimas.

Salvelina afirma que se dependesse dela, os três netos viveriam em sua casa 24 horas por dia. Aliás, se pudesse decidir não seriam apenas três, mas nove netos, três de cada filho.

“Ficar longe dos netos é como se você fosse para uma viagem longa sem se despedir. Você sempre espera que essa pessoa retorne, porque não houve o adeus. Ficar longe dos meus netos é o pior castigo que tem”.

A dona Neuza Rubik e o esposo Valmor vivem o mesmo drama. Os dois residem no bairro Nova Brasília, em Brusque, e o neto, Henrique, de oito anos, no São Luiz. Apesar da pandemia, o casal tem conseguido estar com o pequeno neste período. Mas, nos últimos dias, ele tem ficado com os pais, por conta da gravidez da mãe, que está na fase final. Situação que faz Neuza e Valmor se dividirem entre a expectativa de mais um neto e a saudade por estar longe.

“Há duas semanas que ele não vem. A mãe está em casa. Está vindo outro. O restante dos outros dias ele está aqui. Os dias que ele não vem faz muita falta”, relata Neuza.

Neuza e Valmor serão avós de mais dois. Uma menina está a caminho e chega em agosto. Em setembro, outro menino. Nestas duas semanas, o silêncio na casa lembra que algo está faltando. Na agricultura também, brinca ela.

“Além de tudo é agricultor”, relata ela sobre uma das ocupações do neto quando está na casa dos avós: ajudar o avô com a horta.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

Homem é morto a tiros na garagem de casa esta madrugada

Um homem de 26 anos de idade foi encontrado morto e com marcas de tiros na madrugada deste domingo (26) no bairro Gaspar Mirim, em Gaspar. Ele estava caído em um dos espaços da garagem da residência. A Polícia Militar foi acionada por volta de 2h30 da manhã e chamou o socorro do Samu. Porém, quando as equipes chegaram ao local  verificaram que o rapaz já estava sem vida. A mãe dele teria dito aos policiais que o homem costumava...
Continuar lendo...

Estudantes criam estampas com mensagens sobre a pandemia

A pandemia do novo Coronavírus está obrigando o mundo a muitas mudanças. As aulas presenciais, por exemplo, suspensas, é uma destas adaptações que alunos e professores tiveram que enfrentar. Alguns educadores estão tendo que ousar para manter o interesse dos alunos pelas aulas. A professora Karin Regina Kohler Formonte é uma delas. Diante da dificuldade de poder lecionar a disciplina de moda na universidade, ela decidiu usar o...
Continuar lendo...

Covid-19: boletim aponta 11 pessoas de Brusque na UTI

CORREÇÃO - A Prefeitura de Brusque divulgou de forma equivocada os números de pacientes internados em UTI e em enfermaria. O boletim enviado à imprensa acabou trocando os números. Na verdade, são 11 em UTI e 19 em enfermaria, e não o contrário.  Brusque registrou entre domingo (26) e segunda-feira (27) mais 22 casos confirmados de coronavírus. Com isso, a cidade tem 2169 pessoas que já foram contaminadas, porém...
Continuar lendo...