"Não vejo a possibilidade de darmos aumento de quase 50% no salário de uma categoria"

O vereador Jean Pirola (Progressista) considerou inadmissível conceder reajuste de quase 50% a uma categoria de servidores na Prefeitura em um momento de dificuldade e incertezas que vive a sociedade. Ele foi voz contrária e única à aprovação de um projeto de lei na sessão online desta terça-feira (26) da Câmara Municipal de Brusque à proposta que concede reajustes de 30% e 47,6% às funções de técnico em informática e de analista em informática.

“Não tenho nada contra a categoria, mas não vejo a possibilidade de darmos um aumento de quase 50% no salário de uma categoria. Sabendo que todo mundo vai ter perda nesse momento, não podíamos pensar diferente”, frisou ele em conversa com a Rádio Cidade.

A proposta é de origem da Prefeitura e altera a posição das respectivas atividades dentro do quadro funcional, definindo as atribuições que cada uma passa a ter. A última alteração havia sido feita em 2013. Com isso, o cargo de técnico em informática receberá reajuste de 47,6% e o de analista 30%,

A Comissão Conjunta, formada pelos vereadores Jean Pirola (Progressista), Cleiton Bittelbrunn (Patriotas), Deivis da Silva (MDB), Gerson Morelli (PSB), Leonardo Schmitz (DEM), Paulo Sestrem (Republicanos), Marcos Deichmann (Patriotas) e Sebastião Lima (PSDB) suprimiu um dos pontos que tratava das atribuições da função de técnico de informática. Pirola foi o único a não assinar o documento.

“Nesse momento difícil que estamos passando, não só municipal, vendo o comércio e a indústria toda parada, não poderia estar votando favorável a aumento de salário ou mudança de nomenclatura de cargo na prefeitura. Passando uma categoria de R$ 2.400,00 para R$ 3.650,00 e a outra de R$ 4.230,00 para R$ 5.550,00, podendo chegar a até R$ 10 mil”, comenta Pirola.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões