Medida Provisória define mecanismos para preservar empregos

O governo federal editou neste domingo (22) a Medida Provisória 927, que define mecanismos que podem ser utilizados pelas empresas para enfrentar a situação econômica com o avanço do Covid-19 (Coronavírus) para preservar o emprego. Entre os pontos de destaque está a possibilidade de acordo individuais entre patrão e empregado, sem anuncia do próprio governo e de sindicatos, além da dispensa de pagamento de salários por quatro meses, desde que o empregado seja encaminhado para curso de qualificação oferecido pela empresa.

Segundo a MP, os acordo podem ser tanto individuais quanto coletivos. Neles, ficam permitidos, por exemplo, o teletrabalho, a antecipação de férias coletivas, antecipação de feriados, banco de horas, suspensão de exigências administrativas de segurança no trabalho, direcionamento de empregados para a qualificação, e postergação do recolhimento de FGTS das empresas para o governo. As regras terão validade durante o período de vigência do Decreto de Calamidade Pública, até dezembro de 2020.

Pela MP, o empregador poderá mudar, a seu critério, a forma de atuação do empregado, se presencial ou à distância, independente de haver acordo coletivo. Essa alteração, no entanto, deve ser comunicada em até 48 antes do início ao empregado.

Sobre as férias antecipadas, elas também devem ser avisadas ao empregado 48 horas antes, podendo o empregador pagar o valor devido (1/3 sobre férias e salário, por exemplo) apenas quando o funcionário retornar e não mais antes, conforme determina a lei atualmente. Elas também não podem ser inferiores a cinco dias. A MP dispensa o empregador de avisar órgãos com Ministério da Economia e os sindicatos representativos dos funcionários.

Dispensa de pagar salários

A parte mais polêmica é quanto à possibilidade de dispensa do funcionário por quatro meses sem remuneração. Na verdade, a MP define que durante o período de calamidade, a empresa pode suspender o contrato de trabalho para que o empregado faça algum curso de qualificação não presencial, oferecido pelo empregador, devendo este conceder ajuda financeira compensatória mensal a ser definida pelos dois. Essa ajuda compensatória, no entanto, não será considerada como salário.

Caso o curso ou qualificação não for ministrado, o empregador fica obrigado a pagar todos os valores devidos tanto ao governo quanto ao empregado.

CONFIRA AQUI A MP NA ÍNTEGRA

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

Insalubridade a servidores depende de novos laudos médicos

O secretário de Saúde de Brusque, Humberto Fornari, recebeu na tarde de sexta-feira (15) a vice-presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Brusque (Sinseb), Tania Popermayer, e o assessor econômico da entidade, João Batista Medeiros. O motivo da reunião foi a reivindicação do pagamento do adicional de insalubridade para os Agentes Comunitários de Saúde (ACS), em consequência da pandemia de...
Continuar lendo...

IFC doa 200 litros de álcool à Prefeitura de Brusque

A Prefeitura de Brusque, por meio da Escola de Administração Pública de Brusque (Esap), recebeu 200 litros de alcool 70% do Instituto Federal Catarinense. Os produtos foram entregues pelo diretor-geral do IFC, professor Eder Aparecido de Carvalho, ao responsável pela Esap, Eduardo Arruda. “Essa parceria com IFC vem de algum tempo. Recentemente recebemos deles a doação de 100 protetores anti-respingo que já foi distribuído...
Continuar lendo...

Governo torna obrigatório o uso de máscara por funcionários de empresas que atendem ao público

Os funcionários de empresas que trabalham com atendimento ao público e estão com a atividade permitida pelo Governo do Estado com regramento agora devem, obrigatoriamente, utilizar máscara de tecido. A medida consta em portaria publicada na noite de quinta-feira (09), pelo Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes), que atua no enfrentamento à pandemia do novo Coronavírus em Santa Catarina. "Não faz...
Continuar lendo...