Medida Provisória define mecanismos para preservar empregos

O governo federal editou neste domingo (22) a Medida Provisória 927, que define mecanismos que podem ser utilizados pelas empresas para enfrentar a situação econômica com o avanço do Covid-19 (Coronavírus) para preservar o emprego. Entre os pontos de destaque está a possibilidade de acordo individuais entre patrão e empregado, sem anuncia do próprio governo e de sindicatos, além da dispensa de pagamento de salários por quatro meses, desde que o empregado seja encaminhado para curso de qualificação oferecido pela empresa.

Segundo a MP, os acordo podem ser tanto individuais quanto coletivos. Neles, ficam permitidos, por exemplo, o teletrabalho, a antecipação de férias coletivas, antecipação de feriados, banco de horas, suspensão de exigências administrativas de segurança no trabalho, direcionamento de empregados para a qualificação, e postergação do recolhimento de FGTS das empresas para o governo. As regras terão validade durante o período de vigência do Decreto de Calamidade Pública, até dezembro de 2020.

Pela MP, o empregador poderá mudar, a seu critério, a forma de atuação do empregado, se presencial ou à distância, independente de haver acordo coletivo. Essa alteração, no entanto, deve ser comunicada em até 48 antes do início ao empregado.

Sobre as férias antecipadas, elas também devem ser avisadas ao empregado 48 horas antes, podendo o empregador pagar o valor devido (1/3 sobre férias e salário, por exemplo) apenas quando o funcionário retornar e não mais antes, conforme determina a lei atualmente. Elas também não podem ser inferiores a cinco dias. A MP dispensa o empregador de avisar órgãos com Ministério da Economia e os sindicatos representativos dos funcionários.

Dispensa de pagar salários

A parte mais polêmica é quanto à possibilidade de dispensa do funcionário por quatro meses sem remuneração. Na verdade, a MP define que durante o período de calamidade, a empresa pode suspender o contrato de trabalho para que o empregado faça algum curso de qualificação não presencial, oferecido pelo empregador, devendo este conceder ajuda financeira compensatória mensal a ser definida pelos dois. Essa ajuda compensatória, no entanto, não será considerada como salário.

Caso o curso ou qualificação não for ministrado, o empregador fica obrigado a pagar todos os valores devidos tanto ao governo quanto ao empregado.

CONFIRA AQUI A MP NA ÍNTEGRA

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

Ciclista perde o controle e colide contra veículo

Na noite deste sábado (04), por volta das 19h10, a Polícia Militar de Brusque foi acionada para atender acidente na rua Augusto Klapoth, Bairro Águas Claras. Onde carro, com placa de Brusque, colidiu contra bicicleta. De acordo com a condutora do veículo, o carro e a bicicleta seguiam na mesma direção, Águas Claras / Santa Luzia, quando o ciclista perdeu controle e caiu com o a bicicleta no meio da via. Ainda de acordo com a motorista...
Continuar lendo...

Atualizado estado de saúde da paciente com Covid-19 na UTI

O estado de saúde da mulher de 38 anos que está internada no hospital de Azambuja com Coronavírus evoluiu para melhora. Segundo a assessoria da unidade, esta semana ela está em fase de retirada da sedação. Ainda de acordo com o hospital, exames serão repetidos para retirar a ventilação mecânica. O procedimento utilizado para isso será a tomografia. Veja também - Brusque confirma mais um caso de...
Continuar lendo...

Brusque chega a 50 casos de Covid-19 nesta quinta-feira

O município de Brusque conta agora com 50 casos confirmados de Covid-19. A última confirmação é de um homem de 43 anos. Até esta quinta-feira (30) são 27 homens e 23 mulheres. Dois pacientes se encontram internados na enfermaria e nenhum na UTI.  A faixas etária com maior número de casos registrados é entre 30 e 39 anos, com 12 casos e 50 a 59 anos, com o mesmo número de doentes. Com idade entre 20 e 29 anos...
Continuar lendo...