Confusão no voto de Ivan gera desconforto momentâneo

Causou confusão e desconforto o voto do vereador Ivan Martins (PSD), presidente da Câmara Municipal de Brusque, no pedido de abertura de processo de cassação dos mandatos do prefeito Jonas Paegle e do vice, Ari Vequi, durante a sessão desta terça-feira (18). Apoiador e membro do governo, ele acabou votando favorável a que o legislativo aceitasse o pedido, de autoria de Paulinho Sestrem (Patri). A confusão só foi desfeita horas depois.

Na sessão, após ler e apresentar todos os detalhes de como o processo se daria, Martins colocou em votação o pedido para que a Câmara aceitasse a denúncia ou não. A votação foi feita à moda antiga, com os favoráveis sentados e os contrários à abertura do processo se colocando em pé. Com isso, se levantaram, declarando a rejeição do pedido, os vereadores Leonardo Schmitz (DEM), Deivis da Silva (MDB), Joaquim Costa ‘Manico’ (MDB), Alessandro Simas (PSD), Jean Pirola (Progressista), Cleiton Bitellbrunn (Patri), Celso Carlos Emydio da Silva (DEM) e José Zancanaro (PSB). Ivan permaneceu sentado.

“A confusão se deu porque o presidente da casa não é obrigado a se levantar para declarar seu voto”, explicou Ivan à Rádio Cidade esta manhã.

A gravação da sessão, no entanto, mostra que, ao término de contabilizar os votos, Martins diz “meu voto é favorável”, reforçando a interpretação de que teria sido em favor do pedido de abertura do processo de cassação. O próprio vereador reforçou esta manhã que seu voto foi para a rejeição, totalizando 9 a 6.

Votaram para que o pedido de abertura do processo de cassação fosse aceito os vereadores Gerson Morelli ‘Keka’ (PSB), Marcos Deichmann (Patri), Valdir Hinselmann (Patri), Ana Helena Boos (Progressista), Sebastião Lima (PSDB) e Claudemir Duarte ‘Tuta’ (PT).

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões