Município de Ilhota decreta situação de emergência por causa da chuva

A forte chuva registrada ontem causou vários prejuízos em Ilhota. A cidade registrou o maior volume de chuvas do Vale do Itajaí e resultou no decreto municipal de situação de emergência.

De acordo com a Defesa Civil, mais de 1,2 mil casas foram alagadas. Os bairros mais atingidos foram Ilhotinha, Pedra de Amolar, Centro, Missões, Boa Vista, Minas e Vila Nova.

Caminhões e máquinas da prefeitura recolhem os materiais que se amontoam em frente às residências. Várias equipes estão mobilizadas no trabalho de limpeza e realizando visitas nas famílias que tiveram suas casas atingidas para realizar um levantamento dos estragos e prejuízos.

A prefeitura ainda não conseguiu contabilizar todos os danos. Além dos alagamentos, sete deslizamentos foram registrados em terrenos dos bairros Vila Nova, Barranco Alto, Baú Central e Pedra de Amolar. Quatro árvores caíram sobre casas.

Parte de uma rua do bairro Barranco Alto cedeu e está em meia pista. Obras de pavimentação terão de ser refeitas porque a chuva danificou a obra.

O prefeito Erico de Oliveira de Ilhota decretou situação de emergência já na quinta-feira (6). No ofício, detalhou que as chuvas intensas duraram 240 minutos, causando deslizamentos e apagão:

"Apagão e falta de comunicação via telefone e internet por aproximados quarenta minutos, trazendo danos e prejuízos diversos ao Poder Público, bem como à população".

Depois de levantar tudo o que os moradores perderam e mapear as obras afetadas pela água, a prefeitura definirá o que pode fazer para auxiliar a população e os novos investimentos necessários.

A Assistência Social disponibilizou um abrigo temporário em frente ao prédio da gestão municipal, no Centro. Porém, até o momento nenhum morador precisou do local.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões