Subiu no guarda-roupas para escapar do alagamento

O volume de água que acumulou na casa do comerciante, José Torresani (58), na tarde desta terça-feira (3) fez com que ele fosse obrigado a subir em cima de um guarda-roupas.

O fato aconteceu na rua Sebastião Venâncio Foster, no bairro Nova Brasília. Segundo informações do comerciante ele tentava erguer móveis quando percebeu que não era mais possível sair de sua residência.

José encontrou abrigo em cima de um guarda-roupas e esperou a água baixar. A chuva forte por pouco mais de 30 minutos foi suficiente para o comerciante que tem um bar nos fundos de casa, perder móveis e bebidas que havia comprado nesta tarde. Uma oficina mecânica que fica ao lado tambpem foi atingida pelo alagamento.

Funcionários da Defesa Civil foram recebidos com rispidez pelos moradores do local, que reclamaram estar abandonados.

 

 

Dúvidas ou Sugestões

INSS ignora reclamações das entidades sindicais

O Fórum de Entidades Sindicais de Trabalhadores de Brusque e região tem buscado diálogo com a direção regional do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) no sentido de cobrar melhorias no atendimento ao público prometidas para a agência de Brusque. No entanto, o órgão não vem obtendo retorno dos pleitos encaminhados. Isso já desde o ano passado, quando o então responsável pelo órgão...
Continuar lendo...

Jersinho tem diferentes escalações para enfrentar o São José

Para sua estreia no comando técnico do Brusque, o treinador Jersinho teve duas semanas para preparar o time que enfrenta o São José-RS neste domingo (9). Porém, ele ainda tem algumas situações que podem ser resolvidas apenas momentos antes da partida. Uma delas é a presença de Max e Carlos Alberto. Os dois sentiram problemas ao longo da semana. A chance maior é de Carlos Alberto atuar, enquanto que Max não deve ter...
Continuar lendo...

Teatro em Guabiruba fala sobre trabalho infantil nas escolas

Um menino se muda para a casa da madrinha após a mãe adoecer. Lá, encara duros desafios. É privado de estudar e de brincar, enfrentando intensas jornadas de trabalho doméstico. Com a ajuda de uma vassoura e um espanador falantes, ele consegue se dar conta de que lugar de criança é na escola. Esse é o enredo de uma das peças de teatro apresentadas para crianças de quatro a onze anos nas escolas de Guabiruba pelo grupo de...
Continuar lendo...