Notícias falsas circulam nas redes sociais sobre a Dengue em Brusque

A Secretaria de Saúde, esclarece que os áudios que circulam nas redes sociais, com dados sobre os casos de Dengue e da quantidade de focos do Aedes Aegypti são Fake News e não condizem com a realidade do município. Prova disso é o último relatório da Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE-SC) apontou que a cidade está com baixo risco de transmissão das doenças causadas pelo mosquito - Dengue, Febre Chikungunya e o Zica Vírus.

O Secretário de Saúde, Humberto Martins Fornari, informa que assim como outras cidades da região, há sim focos do mosquito, e que também, registrou um caso da doença contraída dentro de Brusque, porém, o Programa de Combate a Endemias passou de 10, para 27 agentes que atuam em campo nos últimos três anos, o que, segundo ele, também fez aumentar a identificação precoce das larvas. “Quero tranquilizar a população, que estamos trabalhando, mesmo sabendo que há focos de larvas. Mesmo com um caso da doença, os áudios que circularam em grupos das redes sociais não condizem com a realidade”, esclarece.

Em 2019, a Vigilância Epidemiológica identificou em junho, apenas um caso autóctone, que é quando o paciente contrai a doença dentro do próprio município. Outras doze ocorrências foram de pessoas que vieram ou estiveram em outras cidades.

Durante a última edição do LIRa foram vistoriados 1634 possíveis depósitos de larvas considerados móveis (como vasos, frascos, pratinhos, garrafas, etc.) e mais 1473 em locais como aglomerações de lixos, plásticos, entulhos, lonas, entre outros. Segundo a Coordenadora do Programa de Combate a Endemias, Letícia Figueiredo, o que se constata, é que os focos ainda estão em locais em que comunidade poderia evitar o acumulo de água parada. “A população precisa ficar atenta. Para acabar com a Dengue e outros doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti, precisamos focar na prevenção. Todos os dias, os Agentes de Endemias encontram novos pontos com água parada e isso precisamos eliminar”, comenta.

O acumulado de janeiro a 25 de novembro é 487 focos do mosquito em Brusque. Vale salientar que esse dado serve apenas como estatística anual recomendada pelo Ministério da Saúde, pois quando um novo criadouro é descoberto, medidas sanitárias logo são tomadas e o local é eliminado.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões