Consumidora que enfrentou calor do verão sem água em casa será indenizada

Uma moradora de Florianópolis, que sofreu com a falta injustificada do fornecimento de água durante a alta temporada será indenizada em R$ 5 mil pela companhia de abastecimento da região. A decisão é da juíza Eliane Alfredo Cardoso de Albuquerque, em ação que tramitou na 1ª Vara Cível da Capital.

De acordo com os autos, os transtornos ocorreram entre novembro de 2013 e janeiro de 2014,  na comunidade da Vila Cachoeira. A consumidora relata que, nesse período, a água era fornecida apenas por uma ou duas horas diárias, mas ainda assim de forma turva e imprópria para consumo. Além disso, a interrupção foi permanente entre o natal e o ano-novo.

A autora também aponta que em nenhum momento a companhia tentou minimizar o problema com meios alternativos, como disponibilização de caminhões-pipa. Reportagens jornalísticas que registraram os aborrecimentos decorrentes da falta de água na época foram juntadas ao processo.

Em contestação, a empresa responsável pelo fornecimento alegou que não existe prova da falha na prestação do serviço. Justificou que as leituras da unidade indicaram consumo zero, com indicativo de que o aparelho medidor estivesse parado ou que tenha sido fraudado. Manifestou, ainda, que a maioria dos moradores daquela localidade não possui reservatório de água. Outro ponto destacado foi o aumento da população na alta temporada, o que justificaria oscilações na rede.

A juíza Eliane Albuquerque, no entanto, avaliou que a companhia não trouxe ao processo qualquer documento hábil a comprovar sua versão, enquanto as notícias juntadas pela consumidora serviram como prova mínima do que foi alegado. Segundo anotou a magistrada, o relatório da unidade produzido pela empresa também corrobora a alegação de falta de água, já que registra consumo zero.

A sentença ainda destaca que o relatório técnico da Superintendência Regional de Negócios da Região Metropolitana não deixa dúvidas de que houve falta de água na região da Vila Cachoeira no período analisado. "No caso, a ré não demonstrou a existência de justificativas legais para a suspensão do fornecimento de água à unidade consumidora de titularidade da autora. De outro lado, restou comprovado que a autora ficou impossibilitada de usufruir do serviço, conforme veiculação da ocorrência na mídia local", escreveu a juíza. Cabe recurso ao Tribunal de Justiça.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

VÍDEO: “Seria estranho se tivesse no palanque com Ciro Roza”

A Rádio Cidade começou nesta quinta-feira (12) a série de entrevistas com pré-candidatos a prefeito de Brusque na eleição deste ano. O ex-prefeito Paulo Eccel (PT) abriu o espaço, que irá ao ar uma vez por semana, no mesmo dia. Eccel governou a cidade dos anos de 2009 a 2012 e de 2013 a 2015, quando foi cassado sob acusação de abuso de poder econômico. Afastado do cenário desde 2018, quando concorreu a...
Continuar lendo...

Brusque chega a 24 casos de Coronavírus

Em novo boletim epidemiológico divulgado na tarde desta quinta-feira (16) a Vigilância em Saúde da Prefeitura de Brusque confirmou mais cinco pacientes com coronavírus. Agora, o acumulado é de 24 que testaram positivo. Em relação aos recuperados ja são doze, após mais um receber diagnóstico de curado.  Os últimos registros são de quatro homens de 30, 35, 38 e 43 anos. Uma mulher de 34 completa a lista....
Continuar lendo...

Mais de 12 mil pessoas passam pelo Pavilhão da Fenarreco na primeira noite de festa

Uma das contagens regressivas mais esperadas do ano foi realizada durante a noite desta quinta-feira (10), no Pavilhão de Eventos Maria Celina Vidotto Imhof, o Pavilhão da Fenarreco. É a Festa Nacional do Marreco, que abriu as portas da sua 34ª edição para os brusquenses e turistas, em uma noite marcada por casa cheia e muita diversão. Conforme informações apuradas pela Secretaria de Comunicação Social (Secom), 11697...
Continuar lendo...