Mulher é condenada a 27 anos em júri popular em Blumenau

Uma mulher acusada de participar da morte brutal de um homem de 23 anos em março de 2018 foi condenada à pena de 27 anos e três meses de reclusão, a ser cumprida inicialmente em regime fechado, em sessão do Tribunal do Júri nesta semana no Fórum Central de Blumenau. 

Segundo denúncia do Ministério Público, a ré e outras oito pessoas (entre eles dois adolescentes), que fazem parte de uma organização criminosa com atuação em Santa Catarina, desferiram 40 facadas em diversas partes do corpo da vítima e enquanto o homem ainda estava vivo deceparam suas orelhas e nariz, atearam fogo, fraturaram seus ossos e mutilaram seus membros. Toda a tortura e o momento em que a vítima foi decapitada foram filmados pelo grupo em um aparelho celular.

Conta nos autos, que o crime teria sido motivado por vingança, após a vítima ter supostamente subtraído certa quantidade de maconha pertencente ao grupo e com a finalidade de firmar autoridade da organização e espalhar terror, fazendo com que a morte cruel servisse de exemplo. Além do homicídio qualificado, por motivo torpe, meio cruel e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima, os agressores ocultaram o cadáver envolvendo as partes do corpo em cobertores e sacos de lixo enterrando-os numa área de mata situada no bairro Vorstadt, em Blumenau, por ordem da acusada.

Ela foi condenada pelo homicídio qualificado, ocultação de cadáver, corrupção de menor e crime de organização criminosa nesta quarta-feira (23/8) em júri popular presidido pelo juízo da 1ª Vara Criminal da Comarca de Blumenau. A mulher poderá recorrer da decisão ao Tribunal de Justiça, mas seguirá na unidade prisional feminina de Itajaí. Outros quatro autores do crime irão à júri popular no dia 9 de outubro. O processo tramitou em segredo de justiça.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões