Internauta que compartilhar fotos íntimas pode indenizar vítima

O compartilhamento de fotos íntimas na internet ficou mais frequente com o surgimento de aplicativos de comunicação, como o Whatsapp. Isso acontece entre namorados ou entre quaisquer pessoas que recebem, à revelia, as chamadas ‘nudes’ – fotos de pessoas nuas.

Um estudo promovido pelo Unicef, sobre vazamento de imagens e vídeos íntimos de jovens brasileiras, revela que 54% das entrevistadas já tiveram contato com alguém que sofreu com a situação. “Sabe, meu namorado também tem vários vídeos meus. Morro de medo da gente terminar e ele divulgar”, diz uma das entrevistadas da pesquisa. O projeto ouviu 14 mil adolescentes.

O que muita gente não sabe é que esse compartilhamento de imagens pode ser passível de punições judiciais por provocarem sérios danos morais e materiais. “As pessoas que compartilham a intimidade alheia, sem saber ou às vezes querendo, estão contribuindo para a ocorrência do dano a personalidade ou ao patrimônio daquele que está sendo exposto. As mídias sociais transformaram-se num verdadeiro faroeste na internet. É a terra de ninguém. Tudo é, supostamente, permitido. Mas a questão não é bem assim”, alerta o advogado Sérgio Gerab.

Quem compartilha fotos íntimas pode ser processado

O advogado Sérgio Gerab explica que o artigo 186 do Código Civil é claro sobre o tema: “Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito”. Na sequência, o artigo 927 diz: “Aquele que, por ato ilícito ( arts. 186 e 187 ), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo”.

Para o especialista, o processo por danos morais e materiais é plenamente cabível: “E a pena na esfera cível é o total ressarcimento dos danos causados, sejam morais, sejam materiais. Acredito que o simples fato de as pessoas passarem a saber disso fará com que pensem duas vezes antes de promover o próximo compartilhamento indevido, afinal, nada mais relevante para a pessoa do que seu bom nome e nada mais destrutivo do que seu nome jogado na lama”, ressalta.

Fotos íntimas como chantagem emocional

O estudo feito pelo Unicef mostra também que quem sofre esse tipo de cibercrime não sabe a quem recorrer após a exposição pública. Para 80% das entrevistadas, a culpa foi o principal impeditivo para buscar ajuda e 27% pensaram em suicídio.

O filho de A. N.**, de 15 anos de idade, compartilhou foto íntima com a namorada. Ao terminarem o relacionamento, a garota ameaçou publicar a imagem nas redes sociais. “Fiquei apavorada com o sofrimento dele e conversei imediatamente com os pais dela para tentar impedir”, declarou a mãe do garoto.

Na opinião do advogado Sérgio Gerab, os pais devem ensinar aos filhos que existe um limite ético e moral no ato de compartilhar imagens ou informações, explicando que isso pode causar dano a pessoas inocentes e que certas mensagem recebidas não devem ser compartilhadas.

“Aliás, toda sociedade precisa ser educada nesse sentido, afinal, o compartilhamento de mensagens hoje destrói a vida de centenas de pessoas por dia no mundo todo. Os danos, às vezes, são irrecuperáveis. A rede mundial não pode ser um ‘faroeste sem lei’, onde matamos a honra das pessoas indiscriminadamente. A vítima um dia pode ser você”, conclui o advogado.

** Nome preservado.

FONTE / BANDA B CURITIBA

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

Motociclista fica ferido após acidente no Souza Cruz

No sábado (29) por volta das 12h08 o Corpo de Bombeiros foi acionado para atender a um acidente de trânsito na rua Maximiliano Furbringer, no bairro Souza Cruz, envolvendo carro e moto. O motociclista de 30 anos que Harley-Davidson, apresentava fratura aberta na perna esquerda, fratura fechada no braço direito, corte na face, escoriações pelo corpo. Após atendimento pré-hospitalar a vítima foi conduzida ao Hospital Azambuja. Outro...
Continuar lendo...

Lei municipal que beneficia empreendedores já está valendo

Os empreendedores de Brusque já podem contar com os benefícios da Lei Complementar 311, que estabelece normas no âmbito tributário e administrativo municipal, em razão do Estado de Calamidade Pública decorrente da pandemia de Coronavírus (Covid-19).  “Essa Lei veio com o intuito de remediar os danos causados na economia pela pandemia do Coronavírus. Entre as principais medidas temos o parcelamento com entrada para 90 dias e a...
Continuar lendo...

600 testes rápidos são realizados em ação nesta sexta-feira

A Prefeitura de Brusque, por meio da Vigilância em Saúde, realizou nesta sexta-feira (26) 600 testes rápidos, no sistema drive thru, para detectar possíveis novos casos de coronavírus. O número é de 100 testes a mais do que a previsão inicial. Os testes foram feitos durante todo o dia, no estacionamento da Uniasselvi e serviu para identificar novos casos de pessoas assintomáticas, que podem estar transmitindo a...
Continuar lendo...