TJ nega liberdade a homem que mordeu companheira para confirmar sua morte

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em matéria sob a relatoria da desembargadora Hildemar Meneguzzi de Carvalho, negou habeas corpus a um homem que tentou matar a esposa com nove golpes de facão em município da comarca de Xaxim, no oeste do Estado.

Após desferir as facadas e ver a mulher prostrada sobre sua cama, o acusado, na intenção de confirmar a morte da companheira, mordeu o ombro da vítima e, sem reação dela, fugiu da própria casa. A mulher, segundo contou em depoimento mais tarde, precisou fingir-se de morta para sobreviver às agressões, que foram presenciadas pelos dois filhos menores de idade. O homem está preso desde 16 de maio.

Morador de pequena comunidade de um município com cerca de 4 mil habitantes, o casal resolveu ir a um baile. Durante a festa, no dia 12 de maio deste ano, um rapaz teria trocado olhares com a vítima e isso deu início a uma discussão. Segundo a denúncia do Ministério Público, oferecida no dia 28 de junho, quando chegou em casa o homem agrediu a companheira com tapas e socos, mas foi impedido de continuar a violência pela irmã da vítima.

Minutos depois, quando a mulher estava na cama com as duas filhas, o agressor, armado de um facão, desferiu nove golpes contra seu rosto. Ele só parou de golpear porque pensou ter matado a mulher. O agressor impetrou habeas corpus sob o argumento de excesso de prazo da prisão. Também alegou possuir emprego e residência fixa, além de ser primário.

"A prisão é indispensável para a garantia da ordem pública, considerando a extrema crueldade do crime, que foi cometido (...) diante de testemunhas menores de idade, o que, de fato, gera grande abalo social. Também se mostra necessária para a conveniência da instrução criminal e para assegurar a aplicação da lei penal, tendo em vista que o representado, logo após o cometimento do delito, evadiu-se do local, demonstrando de forma cabal que, caso solto, poderá evadir-se do distrito da culpa, gerando medo e apreensão na vítima e nas testemunhas do caso", disse a relatora em seu voto.

A sessão foi presidida pelo desembargador Paulo Roberto Sartorato e dela também participou o desembargador Carlos Alberto Civinski. A decisão foi unânime. O processo corre em segredo de justiça.

Dê sua opinião, antes leia os Termos de Uso
Dúvidas ou Sugestões

Veículo capota em ribanceira com 10m de altura

No começo da noite deste sábado (02) por volta das às 19h40 as guarnições do ASU-431, ABTR 114 e AR 124, deslocaram-se para a Estrada Geral do bairro Lageado Baixo, Botuverá, para atendimento de uma ocorrência de saída de pista, queda de ribanceira de aproximadamente 10m de altura e em seguida, capotamento. O veículo envolvido um Citroen C3 com placas de Brusque; dentro do mesmo haviam 3 vítimas masculinas e mais duas...
Continuar lendo...

Vereadores derrubam veto do prefeito

Os vereadores de Brusque derrubaram na sessão desta terça-feira (2) veto do prefeito Jonas Paegle a um projeto de lei sobre manutenção de brinquedos e equipamentos similares em espaços públicos e privados. A legislação foi aprovada no mês de junho e é de autoria da vereadora Ana helena Boos (Progressista). A votação em favor da derrubada do veto foi unanime entre os parlamentares. Com isso, fica mantido o...
Continuar lendo...

Des. Carlos Alberto Civinski toma posse como juiz substituto no TRE-SC

Tomou posse, na sessão desta terça-feira (17), como juiz substituto do Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina, na classe desembargador, o des. Carlos Alberto Civinski. Em seu discurso de posse, o desembargador Civinski agradeceu a oportunidade de fazer parte do Pleno do TRE-SC. O desembargador Carlos Alberto Civinski é natural de Brusque-SC e graduou-se em Direito pela Fundação Universitária da Região de Blumenau (FURB) em 1984....
Continuar lendo...