“Vou me recolher ao anonimato por um tempo, pois meu corpo está pedindo"

Prestes a encerrar o segundo mandato como reitor da Unifebe, o professor doutor Güinther Lother Pertschy recebeu a imprensa para fazer um balanço dos oito anos em que esteve à frente da instituição. Nesta terça-feira (9), ele entrega o cargo à também professora Rosemari Glatz, que assume a reitoria pelos próximos quatro anos.

No bate papo com jornalistas e radialistas, Pertschy lembrou que deixara função no Banco do Brasil lá em 2011 para assumir o desafio de presidir uma das mais importantes entidades educacionais do estado. Gestão essa que teve atuação focada em três pilares: desenvolvimento de talentos humanos, tecnologia e novas fontes de recursos para manter a instituição.

Em 2012, unindo setores internos e externos da sociedade brusquense, deu-se início a um planejamento estratégico, com vistas a estender tais ações até o ano de 2032. A presença da universidade junto à sociedade de um modo geral foi um dos pilares.

Além destes, o reitor destacou, ainda, o processo de internacionalização da Unifebe, a implementação do ensino médio, criação de novos cursos, entre eles o de medicina. Os investimentos na estrutura dos mesmos cursos também merecem um espaço à parte, disse ele.

“Não há um curso de graduação que não possua estrutura condizente para fazer uma boa formação aos nossos acadêmicos”, frisou.

A atenção especial ao avanço da tecnologia e o ingresso no mundo digital também foi mencionado por ele. Não apenas a busca por cursos a serem oferecidos, mas da qualificação interna, da própria equipe, para poder acompanhar essa inovação.

“Cada vez mais nossos jovens nascem nesse mundo tecnológico. Portanto, precisamos estar inseridos nesses novos formatos”, pontuou Güinter.

O reitor ainda lembrou os avanços nos cursos de pós-graduação, homenagens recebidas pela instituição em níveis local, estadual nacional e internacional, o que solidificou a marca Unifebe como uma das grandes no setor de educação superior.

Pertschy afirmou que deixa a reitorias, mas se manterá próximo da instituição, fazendo o que mais gosta, lecionar. Ele refutou comentários que têm surgido nos último tempos, de que poderia vir a assumir cargos, inclusive na esfera pública.

“Vou me recolher ao anonimato por um tempo. Estou precisando disso. Meu corpo está pedindo. Quanto a qualquer outra situação, não passa de mera especulação”, frisou ele.

Além da reitoria da Unifebe, Güinther Lother Pertschy deixa o comando da Associação Catarinense das Fundações Educacionais (Acafe), à qual preside há um ano.

Dúvidas ou Sugestões