Hospital arca com custo de transporte, que seria de responsabilidade do município

Dois casos ocorridos na última semana levantaram o alerta e causaram reação da administração do hospital de Azambuja quanto ao transporte de pacientes da unidade para outras cidades da região. O custo desse deslocamento seria de responsabilidade da Prefeitura, mas estaria sendo arcado pelo próprio hospital.

O mais recente deles teria ocorrido ainda nesta terça-feira (5), quando uma criança precisou ser levada para outra cidade e não havia ambulância para isso. Na noite de ontem, quarta-feira, uma gestante precisou de atendimento e pediu auxílio à Secretaria da Saúde e um funcionário teria dito que o veículo somente estaria disponível até às 17h.

O administrador do hospital de Azambuja, Evandro Roza, disse à Rádio Cidade que o hospital arcou com o valor, acima de R$ 4 mil. Uma ambulância particular foi contratada de última hora para que a criança pudesse ser salva. Algo que tem sido bastante corriqueiro.

Trata-se de casos em que necessita de vaga em outra unidade, a equipe médica do Azambuja consegue este espaço, mas falta ambulância para deslocar o paciente. Em 2017 e 2018, foram quase R$ 80 mil custeados pelo hospital com locação de ambulância para esse serviço, alegou Roza.

“Isso é uma questão de saúde pública. A responsabilidade de transporte é do município e do estado, não cabe ao hospital arcar com esse custo e nem temos ambulância para esse serviço”, afirmou o administrador.

Segundo Roza, há uma média de seis remoções ao mês de recém-nascidos no hospital para outras cidades. “Isso precisa ter um suporte e efetivo. Por exemplo, o município contratar serviço de terceiro, para quando tiver os casos  isso seja rápido e efetivo”, pontua ele.

No último sábado (2), houve caso de uma remoção que precisava ser feita e conseguiu-se vaga em Ibirama. Como não havia o sérvio de ambulância do município, o hospital teria solicitado ambulância do Samu, mas a mesma estava quebrada. Mais uma vez, o hospital teve de arcar com o custo do transporte.

“Para nós do hospital está ficando difícil isso. Tem que ter uma organização, fluxo rápido porque, senão, fica muito difícil”, destaca ele.

Os casos mais urgentes e que necessitam do serviço de transporte para outras cidades ocorrem, em maioria, com gestantes e recém-nascidos. Estes precisam de UTI neonatal para sobreviver e, por conta disso, carecem de ser levadas para outras cidades com o menor tempo possível.

“Os hospitais não podem mais ter essa oneração de serviços. Não conheço hospital filantrópico que possui serviço de transporte terrestre. O que deve é o município ter contrato”, finaliza Roza.

A Rádio Cidade fez contato com o secretário de Saúde, Humberto Fornari. Através da Secretaria de Comunicação da Prefeitura, ele disse que precisava se inteirar dos casos citados pelo administrador do hospital para poder se manifestar.

Dúvidas ou Sugestões

Basquete Brusque é superado por Cravinhos

Em um jogo movimentado no ginásio de esportes João Nogueira, em Cravinhos, o Basquete Brusque foi derrotado pelo time local na segunda rodada do Campeonato Brasileiro de Basquete Adulto. O duelo disputado na noite de sábado (15) terminou em 62 a 52 para o time adversário. A Equipe da casa foi para o intervalo vencendo por 35 a 25 e conseguiu manter a vantagem até o fim. O destaque de Brusque no confronto foi o armador Kevin, com 11 pontos, 5 rebotes, 3...
Continuar lendo...

Guabiruba contrata médico para trabalhar na saúde pública

A Prefeitura de Guabiruba, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, contrata médico para trabalhar 40 horas na Estratégia da Saúde da Família – ESF. Os profissionais interessados devem entrar em contato com a Secretaria pelo telefone 47 3308-3101 ou pelo e-mail saude@guabiruba.sc.gov.br.  Atuam na saúde da família quatro profissionais do Programa Mais Médicos e mais um contratado pelo município, que busca a...
Continuar lendo...

Prazo para regularizar o título termina hoje

Termina hoje, segunda-feira (6), o prazo para os eleitores faltosos nas últimas três votações evitarem o cancelamento do título. Para isso, é preciso pagar as multas referentes às ausências, bem como comparecer a um cartório eleitoral para apresentar, além do título, um documento com foto e um comprovante de residência. Em Brusque, o cartório funciona das 12h às 19h. O processo pode ser iniciado...
Continuar lendo...