Prejuízo aos cofres públicos: mais de 300 crianças não foram no plantão

424 crianças das 734 cadastradas no final de 2018 para ter vagas no plantão escolar de início de ano não compareceram aos centros de educação infantis de Brusque na rede municipal. As reservas foram feitas por pais ou responsáveis da mesmas entre novembro e dezembro, com base em solicitação junto à Secretaria Municipal de Educação.

A informação foi repassada pela secretária da pasta, Eliani Busnardo Buemo, esta manhã, que lamentou o ocorrido por conta do prejuízo que sofrem os cofres públicos por conta dessa situação. De acordo com ela, foram disponibilizados cinco CEIs para receber as crianças, conforme pedido de pais e responsáveis que precisavam trabalhar nesta época em que a rede escolar está de recesso.

“Toda a organização para esse plantão foi em cima desse número de crianças (724). Quando preparo a minha equipe para esse atendimento, trato de merenda, incluindo itens perecíveis, tinha quantidade de carne e precisei comprar mais. Onde estavam essas 300 crianças? Chegamos o ponto de termos cinco monitoras para 11 alunos numa sala. Prorrogamos contratos para esses atendimentos. Isso é muito sério. É dinheiro público. Dinheiro que poderia ser uado em outras frentes”, disse ela, indignada.

Essa não é a primeira vez que muitas crianças têm as vagas reservadas e não comparecem no plantão. Segundo levantamento da secretaria, no ano passado a situação e repetiu. Novamente, cerca de 300 delas tiveram vagas reservadas e não foram para os CEIS.

Para o plantão, foram disponibilizados cinco centros de educação infantis no início do ano.

Plantão nas creches

Depois da movimentação de diversas mães, que solicitaram à Secretaria da Educação a manutenção do plantão estendido nas unidades infantis, a pasta voltou atrás. A decisão de que não haveria mais o período estendido foi anunciada ainda no final de 2018 pela secretaria. A secretária Eliani Busnardo Buemo, afirmou que a medida atendia o que determina a legislação federal, de que a criança não pode ficar na escola mais do que dez horas por dia.

Com o apelo dos pais e responsáveis, a secretaria vai manter o serviço em oito CEIs. Estas unidades integram grupo em que a secretaria detectou que há crianças enquadradas nesta situação.

“Vamos acompanhar. De que forma? As crianças ficarão no horário (estendido) quando os responsáveis legais por elas nos apresentarem que, de fato, trabalham, têm necessidade do horário e, por isso, elas ficarão até mais tarde”, destacou.

Vagas nas creches

Serão abertas mais 160 novas vagas em 2019. Isso, segundo a secretária, sem abrir novos CEIs, somente remanejando turmas, pessoal e adequando espaços. As vagas estarão distribuídas no seguintes CEIs: Elza Bodemuller (20), em Águas Claras, Laura Cattani (10), no Paquetá, Creche da FIP (80), Santa Terezinha, e no Tia Ana (50), localizado no Bairro Limeira Baixa.

Apesar das vagas a serem abertas, a secretária afirma que a fila de espera para novas vagas chega a 800 crianças este ano. Em 2018, no encerramento do período letivo, era pouco mais de 400.

Fim do ensino médio no João Hassmann

Ensino Médio Escola João Hasssmann está, definitivamente, encerado. A Prefeitura atendeu à recomendação do Ministério Público e não vai oferecer a fase escolar na unidade. Os estudantes que estavam matriculados até 2018 foram deslocados para o Colégio Gregório Locks, em Dom Joaquim, e o Instituto Federal Catarinense (IFC), no Jardim Maluche.

Para proporcionar o deslocamento destes alunos para as novas escolas, a secretaria verificou e acertou com o Consórcio Nosso Brusque a instalação de linhas de ônibus nos horários de entrada e saída das escolas para facilitar aos estudantes. Principalmente do Bairro Guarani para o Dom Joaquim.

 

Dúvidas ou Sugestões