Câmara rejeita as três contas do ex-prefeito Ciro Roza

Depois de mais de três horas de sessão, a Câmara de Vereadores de Brusque rejeitou nesta terça-feira (4) as contas do ex-prefeito Ciro Roza referentes aos anos de 2002, 2006 e 2007. A novela que envolvia a discussão se estendeu desde 2012, quando a justiça anulou a análise das mesmas contas naquele ano porque o ex-prefeito não foi ouvido.

Antes da votação de hoje, o advogado de Roza, Juarez Piva, explanou sobre pontos que, em sua visão, fizeram o caso prescrever. A tese é de que esse tipo de situação não pode mais ir a julgamento após cinco anos, o chamado quinquênio.

Um a um os documentos e pareceres das contas foram lidos e colocados em votação pelo presidente da casa, Celso Carlos Emydio da Silva (DEM). Ao mesmo tempo, na tribuna os vereadores se dividiam entre os que defendiam o parecer do tribunal de Contas do Estado (TCE), que orientou sobre a rejeição das três, e os que argumentavam que o caso teria prescrito e não deveria ser analisado mais, deixando o ex-prefeito livre de qualquer sanção.

Entre estes estavam André Rezini (PPS), Jean Pirola (PP), Ivan Martins (PSD) e José Zancanaro (PSB). No outro lado, de que o caso não prescreveu, estavam vereadores com Marcos Deichmann (Patriotas), Claudemir Duarte (PT) e Sebastião Lima (PSDB).

Deichmann e Pirola, inclusive, se atacaram em diversos momentos. O vereador do Patriotas disse que Pirola mudara de posição rapidamente, pois foi um dos que haviam se posicionado a favor de manter os pareceres do TCE, ou seja, rejeitando todas as contas.

Depois de muita discussão, os três pareceres do TCE, que orientavam pela rejeição das contas, foram colocados em votação e aprovados. Com isso, ao contrário de 2012, quando o ex-prefeito teve apenas duas das três contas reprovadas pelo Legislativo, desta vez todas elas receberam negativa.

Dúvidas ou Sugestões