Fornecimento e taxa de água voltam ao debate em Guabiruba

Mais uma vez a questão que envolve o fornecimento de água e os valores praticados em Guabiruba foi assunto na sessão da Câmara de Vereadores. Nesta terça-feira (11), o vereador Jaime Luiz Nuss fez um comparativo das cobranças do lixo em Guabiruba e em Brusque, além de questionar a falta de água constantemente.

De acordo com o líder da oposição, no caso de utilizar a taxa mínima de água, o contribuinte guabirubense pagará R$ 46 por mês. O valor é praticamente R$ 19 mais caro que no caso de Brusque, onde o Samae cobra R$ 27,70 pelo consumo de até 10 metros cúbicos. Jaime afirmou que a comparação é injusta, ainda mais quando se coloca a qualidade do serviço prestado.

O vereador voltou a relatar diversas ocasiões em que a água simplesmente não chegou a várias residências, e citou o ex-vereador Valdeci Boiadeiro, que levava garrafas de água suja na época da Casan. De acordo com Jaime, a ideia passada pela comunidade é de levar garrafa vazia, já que a água não estaria chegando em vários dias da semana.

Líder do governo no legislativo, o vereador Waldemiro Dalbosco fez o contraponto da afirmação de Jaime. Ele reafirmou os transtornos que uma mudança causa, ainda mais quando o serviço antigo não tinha qualidade e estava há mais de 40 anos na cidade. Porém, tudo foi pensado para que aos poucos os problemas venham ser resolvidos.

Dalbosco também abordou a duplicidade de cobranças para os moradores, que têm recebido faturas em duplicidade. Ele aproveitou para salientar que toda e qualquer diferença que seja irregular será ressarcida nesse momento de transição.

A próxima sessão legislativa em Guabiruba está marcada para a próxima terça-feira (18), no horário regimental de 19h.

Dúvidas ou Sugestões