Jovem grávida de 16 anos afirma ter sofrido racismo

Em Ilhota um dos municípios de abrangência do 18º Batalhão da Polícia Militar de Brusque estará acontecendo uma manifestação em apoio a uma jovem de 16 anos que supostamente teria de acordo com familiares sofrido um ato de racismo por parte de duas profissionais que trabalham na área de saúde naquele município.

Conforme relato de familiares a jovem de 16 anos, e que está grávida, teria buscado por atendimento na unidade de saúde na última segunda-feira (9), quando teria sofrido a discriminação racial por parte de uma enfermeira e a médica que trabalham naquela unidade e que teriam a tratado com desprezo pelo fato da jovem ser negra. Os familiares chegaram a retornar no posto e filmaram um vídeo pedindo explicações. Conforme a irmã da jovem, Carolina Correia, a adolescente foi até o Posto de Saúde solicitar a requisição para o pré-natal e a enfermeira teria dito que ela transmitiria doença para o bebê por ser negra.

Após o episódio, ela voltou para casa abalada e os demais familiares retornaram à unidade de saúde para cobrar explicações. Segundo Carolina, outras reclamações surgiram após a publicação do vídeo nas redes sociais e o movimento para esta sexta-feira (13) poderá ganhar mais força. Em relato para a imprensa o procurador jurídico, Luiz Fernando Maba, Ilhota estará abrindo uma sindicância disciplinar para apurar se o ato de racismo realmente ocorreu.

Foto Diarinho

 

Dúvidas ou Sugestões