Casal com quatro filhos constrói barraco em praça, pode ser despejado pela Prefeitura

A Rádio Cidade foi chamada para ir até a rua da Boêmia, entre os bairros Limeira e Poço Fundo para verificar a situação de uma família que está passando por necessidades. Lady Daiane Nascimento Souza, o marido e os quatro filhos estão na cidade há cerca de um mês de meio e com a ajuda da comunidade montaram um barraco na praça Ida Hasse.

Ela contou à reportagem que antes de chegar no local onde estão atualmente, ela e a família foram até o Guarani e alugaram um imóvel. Porém, por não arrumar emprego e não conseguir pagar eles saíram do local e foram atrás de um aluguel social na Prefeitura de Brusque, pois a família não teria onde dormir.

Lá, eles receberam uma cesta básica e um papel para receber a cesta no mês seguinte. Porém, foram informados que o aluguel social aconteceria apenas no caso de incêndio ou alagamento. Então, eles foram até a rua da Boêmia e fizeram o barraco na praça com a ajuda de moradores.

Depois de montado, eles mudaram a casa mais para dentro do terreno por pedido de um fiscal da secretaria de Assistência Social. Além dos materiais para a construção do barraco (que ainda não está pronto), vizinhos forneceram água, energia elétrica e comida até que a situação fosse controlada.

O marido de Lady Daiane conseguiu um trabalho provisório, por algumas horas, enquanto não aparece um emprego com registro para ele. As crianças também estão todas matriculadas e frequentando a escola normalmente.

Porém, no começo da semana, a família foi avisada por pessoas ligadas à Prefeitura que o barraco seria demolido na terça-feira (26), pois eles estavam invadindo uma área pública.

União de esforços

Várias pessoas se uniram para que a família de Lady Daiane tivesse alguma condição de ficar no local. Uma delas é Angelita Gonçalves. O que motivou ela a auxiliar a família que veio da Bahia foi o fato de que quatro crianças estavam precisando de ajuda para se alimentar e poder ir à escola.

Angelita também adiantou que caso alguém apareça para demolir o barraco construído pela família, aqueles que os auxiliaram irão fazer um cordão de isolamento para impedir o serviço.

Outro que ajudou foi o pastor Luiz Soares da Silva. Ele afirma que foi questionado pelo poder público se não era possível colocar a família em sua residência ou então na associação que é mantida pela igreja onde é pastor. Ele lamentou o fato, principalmente por ter partido de quem teria que ajudar aquela família.

Inclusive ele afirmou que caso a Prefeitura de Brusque dê algum auxílio de aluguel social, fará uma reunião com os fiéis para que a igreja possa ajuda-los com mão de obra ou algo do tipo.

Há quem não queira a família ali

Além da solidariedade de alguns moradores, também existe que não concorde com a presença da família no local. É o caso de Rafael Mariano da Silva, que inclusive registrou um boletim de ocorrência por ameaças, situação também feita pela família contra ele. Até mesmo a Polícia Militar apareceu no local para conter os ânimos naquele momento.

O problema, de acordo com ele, começou quando afirmou que faria a denúncia da invasão da praça. Para ele, isso não é uma situação aceitável, pois mostra que Brusque aceita que as pessoas cheguem e se instalem de qualquer maneira. Ele confirmou que foi procurado por pessoas que reclamaram da situação e também por pessoas que queriam ajudar a família. Pela indignação com relação ao espaço público, ele afirmou que denunciaria.

O que diz a secretaria de Assistência Social

De acordo com o secretário Deivis da Silva, tão logo a Prefeitura foi notificada, o pedido de visita foi encaminhado para que o CRAS estivesse lá. E todo o cuidado possível está sendo tomado para que a melhor solução para todos aconteça da maneira mais pacífica o possível.

Uma das ofertas feitas pela pasta foi o pagamento das passagens de retorno de toda a família para a cidade de origem, onde eles poderiam contar até mesmo com o apoio da família, já que no período em que estão na cidade, o casal não conseguiu constituir um vínculo empregatício.

Outra alternativa apontada foi o oferecimento de espaço no albergue que fica na Arena Brusque, durante o período da noite, para que as crianças tenham alimentação e onde dormir, situação que foi rechaçada pela família.

Então, de acordo com Deivis, nos próximos dias deve acontecer uma solução efetiva para o caso, já que naquele local (público), a família não pode permanecer, porém, não pode ficar sem qualquer assistência. Justamente por isso, a solução não acontece de forma imediata.

Dúvidas ou Sugestões