ACIBr Jovem realiza nova edição do Feirão do Imposto

Na próxima terça-feira, 23 de maio, às 18h30min, na sede da Associação Empresarial de Brusque (ACIBr), será realizada a palestra “Cidadãos brasileiros contra a corrupção e a favor da eficiência na gestão de recursos públicos", ministrada pelo diretor executivo do Observatório Social de Brusque (OSBr), Evandro Gevaerd. O evento dá início à programação do Feirão do Imposto que, na cidade, é organizado pelo Núcleo de Jovens Empreendedores – ACIBr Jovem.

“O intuito é conscientizar a população sobre a alta carga tributária. O imposto é recolhido, mas o retorno não é eficaz. Paralelo a isso ainda está a situação da corrupção, que hoje afeta tanto o nosso país”, explica o coordenador da ACIBr Jovem, Eduardo Jonas Imhof.

O Feirão do Imposto também estará representado na primeira edição da MULTIFAIR – Feira ACIBr, entre os dias 25 e 28 de maio. O núcleo ACIBr Jovem e o Observatório Social de Brusque estarão dividindo um estande e mostrando aos visitantes produtos sem a incidência de imposto.

Para o diretor executivo do OSB, Evandro Gevaerd, a parceria firmada com o Núcleo Jovem da ACIBr tem o objetivo de despertar na sociedade o sentimento de cobrança dos gestores públicos, principalmente na boa aplicação dos recursos. “Pagamos muito imposto neste país e as pessoas não se dão conta disso. Algumas pessoas pensam, inclusive, que só os empresários pagam impostos. Os empresários colocam nos produtos o valor que terão que repassar ao governo em imposto. Sem isso, eles iriam falir. Então, quem acaba sempre pagando o imposto no Brasil é o consumidor final, ou seja, a dona de casa, o trabalhador, o estudante, qualquer pessoa”, pontua Gevaerd.

Segundo ele, o pagamento de imposto é obrigatório e, até mesmo, positivo “desde que este dinheiro seja aplicado de forma coerente, justa, honesta e competente. Existem países com carga tributária igual ou até maior do que no Brasil, como no norte da Europa, por exemplo. E as pessoas pagam de forma consciente, nem discutem. Mas lá também não existe plano de saúde, escola particular. Lá o Estado se responsabiliza e oferece tudo isso com qualidade”, enfatiza o diretor executivo do OSB.

De acordo com Gevaerd, o que se espera do gestor público é responsabilidade, honestidade e competência, para fazer com que o dinheiro que se paga através dos impostos, retorne como fonte de benefício a toda a população.

“É importante as pessoas terem consciência de que o dinheiro que está na Prefeitura, no Estado ou no Governo Federal não caiu do céu. Ele é fruto dos tributos recolhidos para que a máquina pública funcione e para que se disponibilize segurança, saúde, educação, mobilidade urbana, entre outras coisas, que hoje são muito mal oferecidas pelos governos, infelizmente”, salienta Gevaerd.

Saiba Mais

O projeto Feirão do Imposto foi criado em 2003, na cidade de Joinville (SC) pelo Núcleo de Jovens Empresários da Associação Empresarial de Joinvile (ACIJ), que mobilizou a sociedade civil joinvilense para informar e, sobretudo, educar a população a respeito do quanto se paga em impostos. A partir dessa mobilização, o Feirão se tornou uma ação nacional, desenvolvida anualmente pela Confederação Nacional de Jovens Empresários (CONAJE) para conscientizar o quanto se paga em impostos e acompanhar a destinação dos tributos. Agora também com a parceria dos Observatórios Sociais do Brasil.

 

Resultados

A CONAJE, os movimentos estaduais e os parceiros na realização do Feirão do Imposto já conseguiram alcançar importantes resultados para reduzir a carga tributária brasileira, além de conscientizar, a cada ano, uma grande parcela da população.

Entre os resultados estão a Lei 12.741 (Lei da Transparência), que instituiu a discriminação dos impostos nas notas e cupons fiscais, e a Lei 12.839, que estabeleceu a retirada de impostos federais que incidem em produtos da cesta básica.

Em agosto de 2014, também foi sancionada a Lei Complementar 147, que universaliza o acesso ao Simples Nacional ou Supersimples. A lei prevê a unificação do pagamento de oito tributos cobrados pela União, estados e municípios das micro e pequenas empresas. Conhecida também como Lei da Micro e Pequena Empresa, a medida foi apoiada desde o início pela CONAJE, que participou das articulações desde o lançamento do projeto até a sanção da lei complementar.

Alguns dados do Brasil

Segundo a Organização de Transparência Internacional, o Brasil piorou três posições no ranking sobre a percepção da corrupção no mundo em 2015, ficando na 79ª posição entre 176 países, ao lado de China, Índia e Bielorússia. O estudo leva em conta outros 13 levantamentos relacionados a corrupção realizados por instituições como Banco Mundial, World Justice Project e Global Insight.

 A corrupção interfere no retorno dos impostos em benefícios para a sociedade, porque retira investimentos em áreas essenciais como saúde, segurança e educação. De acordo com a Organização das Nações Unidas, estima-se que, aproximadamente, R$ 200 bilhões são desviados no Brasil, por ano. Este valor significa três vezes o orçamento da saúde ou educação, e cinco vezes o orçamento da segurança pública.

 A corrupção também afeta a competitividade das empresas, sendo que o Brasil perdeu mais seis posições no ranking das economias mais competitivas do mundo, caindo para a 81ª colocação em 2016. O ranking avalia 138 países e foi divulgado pelo Fórum Econômico Mundial, em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC). O levantamento é um termômetro do nível de produtividade e das condições oferecidas pelos países para gerar oportunidades e para que as empresas possam obter sucesso. Além disso, a corrupção atrapalha o desenvolvimento econômico e social. Pesquisas revelam que quanto maior o índice de corrupção, maior será a desigualdade e menor será o desenvolvimento.Na próxima terça-feira, 23 de maio, às 18h30min, na sede da Associação Empresarial de Brusque (ACIBr), será realizada a palestra “Cidadãos brasileiros contra a corrupção e a favor da eficiência na gestão de recursos públicos", ministrada pelo diretor executivo do Observatório Social de Brusque (OSBr), Evandro Gevaerd. O evento dá início à programação do Feirão do Imposto que, na cidade, é organizado pelo Núcleo de Jovens Empreendedores – ACIBr Jovem.

 

“O intuito é conscientizar a população sobre a alta carga tributária. O imposto é recolhido, mas o retorno não é eficaz. Paralelo a isso ainda está a situação da corrupção, que hoje afeta tanto o nosso país”, explica o coordenador da ACIBr Jovem, Eduardo Jonas Imhof.

O Feirão do Imposto também estará representado na primeira edição da MULTIFAIR – Feira ACIBr, entre os dias 25 e 28 de maio. O núcleo ACIBr Jovem e o Observatório Social de Brusque estarão dividindo um estande e mostrando aos visitantes produtos sem a incidência de imposto.

Para o diretor executivo do OSB, Evandro Gevaerd, a parceria firmada com o Núcleo Jovem da ACIBr tem o objetivo de despertar na sociedade o sentimento de cobrança dos gestores públicos, principalmente na boa aplicação dos recursos. “Pagamos muito imposto neste país e as pessoas não se dão conta disso. Algumas pessoas pensam, inclusive, que só os empresários pagam impostos. Os empresários colocam nos produtos o valor que terão que repassar ao governo em imposto. Sem isso, eles iriam falir. Então, quem acaba sempre pagando o imposto no Brasil é o consumidor final, ou seja, a dona de casa, o trabalhador, o estudante, qualquer pessoa”, pontua Gevaerd.

Segundo ele, o pagamento de imposto é obrigatório e, até mesmo, positivo “desde que este dinheiro seja aplicado de forma coerente, justa, honesta e competente. Existem países com carga tributária igual ou até maior do que no Brasil, como no norte da Europa, por exemplo. E as pessoas pagam de forma consciente, nem discutem. Mas lá também não existe plano de saúde, escola particular. Lá o Estado se responsabiliza e oferece tudo isso com qualidade”, enfatiza o diretor executivo do OSB.

De acordo com Gevaerd, o que se espera do gestor público é responsabilidade, honestidade e competência, para fazer com que o dinheiro que se paga através dos impostos, retorne como fonte de benefício a toda a população.

“É importante as pessoas terem consciência de que o dinheiro que está na Prefeitura, no Estado ou no Governo Federal não caiu do céu. Ele é fruto dos tributos recolhidos para que a máquina pública funcione e para que se disponibilize segurança, saúde, educação, mobilidade urbana, entre outras coisas, que hoje são muito mal oferecidas pelos governos, infelizmente”, salienta Gevaerd.

Saiba Mais

O projeto Feirão do Imposto foi criado em 2003, na cidade de Joinville (SC) pelo Núcleo de Jovens Empresários da Associação Empresarial de Joinvile (ACIJ), que mobilizou a sociedade civil joinvilense para informar e, sobretudo, educar a população a respeito do quanto se paga em impostos. A partir dessa mobilização, o Feirão se tornou uma ação nacional, desenvolvida anualmente pela Confederação Nacional de Jovens Empresários (CONAJE) para conscientizar o quanto se paga em impostos e acompanhar a destinação dos tributos. Agora também com a parceria dos Observatórios Sociais do Brasil.

Resultados

A CONAJE, os movimentos estaduais e os parceiros na realização do Feirão do Imposto já conseguiram alcançar importantes resultados para reduzir a carga tributária brasileira, além de conscientizar, a cada ano, uma grande parcela da população.

Entre os resultados estão a Lei 12.741 (Lei da Transparência), que instituiu a discriminação dos impostos nas notas e cupons fiscais, e a Lei 12.839, que estabeleceu a retirada de impostos federais que incidem em produtos da cesta básica.

Em agosto de 2014, também foi sancionada a Lei Complementar 147, que universaliza o acesso ao Simples Nacional ou Supersimples. A lei prevê a unificação do pagamento de oito tributos cobrados pela União, estados e municípios das micro e pequenas empresas. Conhecida também como Lei da Micro e Pequena Empresa, a medida foi apoiada desde o início pela CONAJE, que participou das articulações desde o lançamento do projeto até a sanção da lei complementar.

Alguns dados do Brasil

Segundo a Organização de Transparência Internacional, o Brasil piorou três posições no ranking sobre a percepção da corrupção no mundo em 2015, ficando na 79ª posição entre 176 países, ao lado de China, Índia e Bielorússia. O estudo leva em conta outros 13 levantamentos relacionados a corrupção realizados por instituições como Banco Mundial, World Justice Project e Global Insight.

 A corrupção interfere no retorno dos impostos em benefícios para a sociedade, porque retira investimentos em áreas essenciais como saúde, segurança e educação. De acordo com a Organização das Nações Unidas, estima-se que, aproximadamente, R$ 200 bilhões são desviados no Brasil, por ano. Este valor significa três vezes o orçamento da saúde ou educação, e cinco vezes o orçamento da segurança pública.

 A corrupção também afeta a competitividade das empresas, sendo que o Brasil perdeu mais seis posições no ranking das economias mais competitivas do mundo, caindo para a 81ª colocação em 2016. O ranking avalia 138 países e foi divulgado pelo Fórum Econômico Mundial, em parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC). O levantamento é um termômetro do nível de produtividade e das condições oferecidas pelos países para gerar oportunidades e para que as empresas possam obter sucesso. Além disso, a corrupção atrapalha o desenvolvimento econômico e social. Pesquisas revelam que quanto maior o índice de corrupção, maior será a desigualdade e menor será o desenvolvimento.

Dúvidas ou Sugestões

Festa no domingo comemora aniversário de títulos do Brusque FC

Neste domingo (10), um evento realizará a comemoração de três datas importantes na história do Brusque Futebol Clube. Organizado por ex-atletas, os 30 anos de fundação, os 25 da conquista do Catarinense de 1992 e os 20 da conquista da segunda divisão estadual de 1997 serão relembrados. A programação toda será realizada no complexo esportivo do SESC, na avenida Arno Carlos Gracher, a partir das 10h. Um jogo...
Continuar lendo...

Drogas, armas, munições e dois em flagrante por tráfico

Policiais militares de Brusque, do Pelotão de Patrulhamento Tático (PPT) deteve na madrugada deste sábado (26) quatro pessoas por suspeita de tráfico de drogas. Dois deles acabaram assumindo na Delegacia de Polícia Civil serem donos da droga apreendida. A aça começou com a abordagem feita pelos policiais no Bairro Santa Terezinha. Era uma moto na qual trafegava Claudinei dos Santos Dias. Com ele os policiais localizaram um torrão de...
Continuar lendo...

Estado define datas para adiantamento do 13° salário

Depois de criteriosa análise da viabilidade financeira, o governador Carlos Moisés, em conjunto com as secretarias da Administração, Fazenda e Casa Civil, definiu na segunda-feira, 1° de julho, a antecipação de parte do 13º salário aos servidores públicos e militares estaduais catarinenses. A antecipação se dará em duas etapas. A primeira parcela, de 25% do valor, será paga no dia 19 de julho....
Continuar lendo...