Os primeiros movimentos de greve

Os bancários de Brusque e região deram na manhã desta terça-feira (14), os primeiros indicativos de greve no atendimento ao público nas agências bancarias. A Caixa Econômica Federal de Brusque prestou o atendimento externo com apenas dois guichês, para o pagamento de contas.

Nos municípios de Major Gercino, Nova Trento e Canelinha as agências do Besc não abriram. Em São João Batista, cinco agências não prestaram atendimento, restando somente uma de caráter privado aberta ao público. Em Tijucas, o Banco do Brasil também fechou as portas, restando somente o Besc para o atendimento.

De acordo com Mário Luis Dada, presidente do Sindicato do Bancários, o Besc de Brusque pode ter o atendimento paralisado nesta quarta-feira (15) ou abrir com um menor número de guichês em funcionamento.

Uma outra preocupação da classe bancária, e também dos próprios banqueiros, é que com o fortalecimento do movimento de greve nas agências dos municípios vizinhos, Brusque passe a ser ponto de referência para o movimento bancário. De acordo com informações do Sindicato, várias pessoas vieram de Itapema, Balneário Camboriú, Itajaí e Tijucas para quitar contas.

"Essa é uma grande preocupação, já que com a paralisação na maioria das agências da Grande Florianópolis e Blumenau, as pessoas estão procurando outras cidades. Isso pode criar um colapso no atendimento", disse o presidente do Sindicato dos Bancários.

As casas lotéricas, assim como os estabelecimentos comerciais que atendem a certos procedimentos bancários, têm sido a saída para os que precisam ficar em dia com os compromissos financeiros. Os relatos de clientes aos bancários leva a entender que de vez em quando o sistema apresenta defeitos e, por isso, não podem processar certos dados bancários.

A categoria dos bancários luta por 16% de aumento, maior participação nos lucros e mais funcionários para atendimento ao público. De acordo com as informações em nível nacional, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) oferece 7,25% de aumento no salário dos bancários, o que até o momento não foi aceito. A greve completou uma semana em todo País.

Reunidos em Brusque no final da tarde desta terça-feira (14), os bancários do Besc decidiram aderir ao movimento de greve e, amanhã, juntamente com alguns da Caixa Econômca Federal, devem trabalhar precariamente. Ou seja, as agências devem abrir ao público com poucos funcionários.

Dúvidas ou Sugestões