Brusque perde a historiadora Maria Luiza Renaux, a Bia

Na noite desta quinta-feira (5), morreu de causas naturais, Bia Renaux, 70 anos, que estava internada no hospital Marieta Konder Bornhausen, em Itajaí.

Graduada em História pela Universidade de São Paulo (1977), em Estudos Sociais pela Universidade de São Paulo (1977) e doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo (1980).

Com extensa experiência na área de História, com ênfase em globalização e regionalidade, seus trabalhos eram ligados principalmente aos seguintes temas: história regional, desenvolvimento regional, identidade regional, imigração e colonização ítalo-germânica no Sul do Brasil e industrialização.

Descendente direta de uma das mais tradicionais famílias da região, era bisneta do Cônsul Carlos Renaux, um dos pioneiros na industrialização na virada do século 20. Foi professora no Departamento de História da Universidade Regional de Blumenau (Furb), na área da história antiga das civilizações grega e romana.

Produziu duas obras já consideradas clássicas na moderna historiografia do Brasil: "Colonização e indústria no Vale do Itajaí", tese de Doutorado, de l987, e "O papel da Mulher no Vale do Itajaí -l850/l950", editada também pela FURB, em l995, instigante e monumental obra sobre "o outro lado da história."

Maria Luiza Renaux, morava em uma mansão que fez parte da Vila Renaux; no alto de uma elevação junto ao antigo complexo empresarial, na Primeiro de Maio, fundado por seu bisavô, o Cônsul.

Divorciada, mãe de três filhos Ana Carolina, Victor e a mais nova Catharine e também cinco netos. O velório será sábado (7) a partir das 9 horas, em Brusque. O sepultamento será no domingo, às 11h30, no cemitério da comunidade Luterana.

Dúvidas ou Sugestões