TRE-SC mantém PP na disputa da eleição indireta

Uma nova reviravolta na novela que ronda a eleição indireta para prefeito de Brusque aconteceu nesta noite. O Tribunal Regional Eleitoral (TRESC) derrubou a decisão da juíza Camila Coelho, que havia indeferido o registro da candidatura de Boca Cunha e Rolf Kaestner, ambos do Partido Progressista (PP).

Na noite desta sexta-feira (3), o juiz Helio Davi Viera dos Santos, do TRE, reverteu a decisão de primeira instância do Judiciario de Brusque proferida ontem. No despacho, o magistrado afirma que a decisão de barrar a candidatura não era de incumbência da juíza eleitoral.

Com isso, a Mesa Diretora da Câmara foi intimada a reavaliar o pedido de registro das chapa de Cunha e Kaestner juntamente com a chapa de Roberto Pedro Prudêncio Neto (PSD) e Danilo Rezini (PMDB).

Diante do novo fato, ao menos até que venha a ocorrer nova reviravolta, a eleição indireta volta a ter duas chapas inscritas, caso a Câmara de aval ao pedido do PP para participar da disputa.

CONFIRA A  INTEGRA DA DECISÃO

D E C I S Ã O L I M I N A R
Trata-se de Agravo de Instrumento interposto pelo Partido Progressista de Brusque em face da decisão proferida pelo Juízo Eleitoral da 86ª Zona - Brusque, que suspendeu o ato da Mesa Diretora da Câmara de vereadores de Brusque, no sentido de acolher o pedido de substituição de candidatura apresentada pela agremiação partidária ora agravante no curso do processo de ELEIÇÃO INDIRETA levado a cabo pela Resolução Administrativa n. 2/2015, daquela Casa Legislativa nos autos do Mandado de Segurança n. 71-04.2016.6.24.0086, impetrado naquele Juízo Eleitoral.
Em apertada síntese, o agravante alega, preliminarmente, a incompetência absoluta da Justiça Eleitoral para exercer o controle de legalidade de eleições indiretas.
No mérito, aduziu que a Câmara Municipal de Brusque tem plena competência para regulamentar o processo legislativo que disciplina eleições indiretas, uma vez que não há na Lei Orgânica daquele Município e no Regimento Interno daquela Casa Legislativa previsão sobre as regras procedimentais em caso de eleições indiretas previstas no art. 76, § 1º da Lei Orgânica, que trata sobre a vacância nos últimos dois anos de período governamental.
Ao final, requereu:
a) a concessão de efeito suspensivo ao presente agravo de instrumento para decretar a suspensão da decisão agravada, de modo a (i) deixar intacto o despacho da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Brusque, objeto de impetração do Mandado de Segurança naquele Juízo Eleitoral; (ii) e que, consequentemente, a Câmara Municipal de Brusque proceda à análise do registro de substituição de candidatura da Chapa 01 e da ratificação de candidatura da Chapa 02, mantendo as eleições indiretas para o dia 5.6.2016;
b) subsidiariamente, seja concedido efeito suspensivo ao presente agravo de instrumento para suspender as eleições no Município de Brusque;
c) ao final, seja dado integral provimento ao agravo de instrumento.
É o sucinto e necessário relatório.
Decido.
A preliminar de incompetência da Justiça Eleitoral deve ser acolhida, porquanto esta justiça especializada é manifestamente incompetente para processar e julgar mandado de segurança que visa apreciar ato de Mesa Diretora de Câmara Municipal.
Trata-se, com efeito, de matéria interna corporis cuja regulamentação da matéria atinente aos procedimentos e etapas da eleição indireta para escolha do Prefeito, em caso de vacância, é atribuição específica do Poder Legislativo Local e, portanto, eventual questionamento de ato da Mesa Diretora deve ser ajuizado na Justiça Estadual.
Cito, por oportuno, o seguinte julgado do Tribunal Superior Eleitoral:
Agravo regimental. Reclamação que visa sobrestar decisão do Tribunal Regional em recurso eleitoral e suspender atos da Câmara de Vereadores.
Havendo cumprimento de decisão judicial, descae a reclamação. Outrossim, não compete ao Tribunal Superior Eleitoral apreciar atos de Câmara Municipal que edita decreto legislativo e realiza eleições para prefeito e vice-prefeito.
(omissis) 
[Agravo Regimental na Reclamação n. 228, Acórdão TSE n. 228, de 14/8/2003, Relator Ministro LUIZ CARLOS MADEIRA]
De igual forma, reproduzo julgado do TRE/MS que reconhece, de ofício, a incompetência da Justiça Eleitoral para apreciar matéria congênere:
FEITO NÃO ESPECIFICADO. DECISÃO LIMINAR. MANDADO DE SEGURANÇA. JUIZ ELEITORAL. PEDIDO DE SUSPENSÃO DA MEDIDA. AGRAVO REGIMENTAL. ELEIÇÃO MUNICIPAL INDIRETA. DIREITO DE VOTO A SUPLENTE DE VEREADOR. PRELIMNAR DE OFÍCIO. INCOMPETÊNCIA ABSOLUTA DESTA JUSTIÇA. NULIDADE DOS ATOS DECISÕRIOS CONSTANTES DOS AUTOS. 
PRELIMINAR ACOLHIDA
[Agravo Regimental no feito não-especificado n. 193 - pedido de suspensão de medida liminar em mandado de segurança, Acórdão TREMS n. 4.609, de 28/6/2004. Relator Desembargador Claudionor Miguel Abss Duarte]
Do STJ, extraio o seguinte julgado:
CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. JUSTIÇA COMUM ESTADUAL E JUSTIÇA ELEITORAL. MANDADO DE SEGURANÇA. ATO DO PRESIDENTE DA CÂMARA DE VEREADORES. ORDEM DE CONVOCAÇÃO DE SUPLENTE. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA COMUM ESTADUAL.
1. Segundo entendimento consolidado nesta Corte, a competência da Justiça Eleitoral se exaure com a diplomação dos representantes eleitos (CC 28.775-SP, 1ª Seção, Min. Francisco Falcão, DJ 17.9.2001)
(omissis)
3. Conflito conhecido para declarar competente o Juízo de Direito da 1ª Vara Civel da Comarca de Bagé - RS, o suscitado.
[CC 96265/rs - Conflito de competência 2008/0118624-0, Relator Ministro Teori Albino Zawvascki]
Por outro lado, é fato incontroverso que as eleições indiretas serão realizadas no município de Brusque no próximo domingo, dia 05/06/2016.
Sendo assim, encontram-se presentes os pressupostos exigidos para a concessão do pedido liminar suspendendo os efeitos da decisão prolatada pela Juíza Eleitoral.
Contudo, como a incompetência da Justiça Eleitoral para dirimir a matéria é manifesta, mostra-se juridicamente adequado interromper, desde já, o processamento da ação mandamental, a teor do disposto no art. 10 da Lei 12.016/2009, a fim de evitar clima de incerteza jurídica.
Ante o exposto, reconheço a incompetência absoluta dessa Justiça Eleitoral para apreciar o ato da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Brusque e, por conseguinte, declaro nula a decisão do Juízo da 86ª Zona Eleitoral - Brusque, nos autos do Mandado de Segurança n. 71-04.2016.6.24.0086, determinando a remessa daquele feito à Justiça Estadual, consoante determina o comando do art. 64, § 3º do Código de Processo Civil.
Intimem-se.
Comunique-se com urgência o Juízo Eleitoral respectivo. 
À Coordenadoria de Registro e Informações Processuais, para cumprimento imediato e integral dessa decisão.
Florianópolis, 3 de junho de 2016.

Juiz HELIO DAVID VIEIRA FIGUEIRA DOS SANTOS
Relator - See more at: http://tvbrusque.com.br/noticia.php?id=812#sthash.r1YMg2Dm.dpuf

Dúvidas ou Sugestões

Concessionária indeniza noiva cuja festa de casamento foi arruinada por falta de luz

A 1ª Câmara Civil do TJ confirmou sentença da comarca de Blumenau que condenou concessionária de energia elétrica ao pagamento de indenização por danos morais, no valor de R$ 20 mil, em favor de noiva cuja festa de casamento foi realizada às escuras. Na data marcada para as bodas, em dezembro, houve uma tempestade de verão que, aparentemente, motivou a queda de energia.Os convidados presentes - muitos nem sequer conseguiram achar o...
Continuar lendo...

Menina de dez anos escapa de suposta tentativa de estupro, no Bateas

Uma mulher de 38 anos de idade procurou o plantão da delegacia de Polícia, nesta sexta-feira (24), para relatar uma suposta tentativa de estupro sofrida por sua filha, de dez anos de idade. O fato teria ocorrido por volta de 8h30, nas proximidades da Escola de Ensino Fundamental Padre Theodoro Becker, localizada no bairro Bateas. Segundo relatos da mãe, dois homens que estavam em um veículo Pálio Weekend de cor bordô tentaram abordar a menina, sendo...
Continuar lendo...

Ação social beneficia escola com cobertura da quadra

A Escola de Ensino Fundamental Isaura Gouveia Gevaerd, localizada no bairro Thomaz Coelho, ganhou a cobertura para o pátio dos fundos da unidade de ensino. A maior parte do recurso foi doada por jovens da Ordem Demolay, que organizam anualmente o evento Hamburgueria Demolay. O restante ficou a cargo da Associação de Pais e Professores (APP). “Nosso grupo é formado por jovens de 12 a 21 anos e tem caráter filantrópico, voltado a ajudar escolas....
Continuar lendo...