Lesão corporal é o atendimento mais realizado no IML de Brusque

Dos mais variados atendimentos do Instituto Médico Legal (IML) de Brusque, a lesão corporal se torna o principal. Dos mil casos registrados em 2015, 810 foram agressões. O perito criminal, Álvaro Augusto Mesquita Hamel, explica quais tipos de casos são arrolados no número. “Agressão tanto familiar quanto em briga, discussão de vizinhos, briga de bar, além de outras”, exemplifica.

Ele acredita que a região é tranquila ao que se trata de homicídios, porém, outro número que também chama atenção é o de vítimas – inclusive fatais – no trânsito no ano passado. “São 31 vítimas, que tiveram as vidas tiradas em acidentes de trânsito na região, um número bastante elevado”, pontua. Hamel acredita que o órgão acaba possuindo um número mais fiel, já que são monitorados os casos que também ficam no hospital. A morte natural não entra nas estatísticas de crimes, com exceção de casos que são atendidos por alguma dúvida.

Hamel ainda afirma que há outro número crescente na cidade, os chamados acidentes de trabalho. “A gente percebeu que, em geral, essas pessoas estão pouco observando os equipamentos de segurança. Normalmente falta equipamentos, e a gente vê que se tivesse, a pessoa não teria ido a óbito”, afirma o perito.

Ainda nas estatísticas, ele conta que no Instituto de Criminalística (IC) o número mais elevado de atendimento é de identificação de veículos, ou seja, de veículos suspeitos de adulteração. “Dos 600 feitos pelo IC, quase metade, 243, é de veículos”. São casos de veículos que têm indícios de adulteração e que são reprovados por esse motivo durante a vistoria.

Já para o instituto de identificação, em 2015, foram confeccionadas cerca de 20 mil carteiras de identidade contando com Brusque e mais outros cinco municípios. “Em uma população de, aproximadamente, 200 mil habitantes, a gente renova 10% das carteiras de identidade por ano”, conta.  

Dúvidas ou Sugestões