Mulher flagrada com roupas furtadas

O que parecia ser apenas mais uma venda corriqueira acabou se transformando em dor de cabeça para uma comerciante da Travessa Lagoa Dourada. Por volta das 15 horas de ontem (7), Gisele Pinto de Araújo (27), que se identificou como sendo "do lar", decidiu comprar algumas roupas novas. Depois que entrou na loja e escolheu uma calça e uma blusa, a mulher foi ao provador. Até aí tudo normal.

No entanto, eis que Gisele surge já vestida, com as roupas velhas dobradas sobre um dos braços. A vendedora estranhou, mas apenas quis concluir a venda. Ao ser questionada porque ela estava vestida já com a roupa da compra, a mulher desconversou e pegou algumas bijuterias, como que querendo prová-las.

Para tentar concretizar sua intenção, a mulher iniciou uma breve discussão com a proprietária da loja. Dizendo-se ofendida, ela anunciou que não pagaria pelas compras e ameaçou deixar a loja. Ameaçando sacar algo da bolsa, Gisele deixou a loja sem pagar pelas compras e entrou em um carro que estava parado frente ao estabelecimento, onde outras três pessoas a aguardavam.

A dona da loja anotou a placa e a marca do veículo e ligou para o 190. Viaturas cercaram a área e logo encontraram o Gol com placas de São João Batista transitando pela rua Santa Cruz, no bairro Paquetá. Dentro do carro estavam, além de Gisele, Vera Lúcia Leal (30), Sineral Correa (40) e Clarice Zili Barni (42). Com Gisele foram encontradas as roupas furtadas na loja da Travessa Lagoa Dourada.

O bando foi encaminhado à Delegacia. Segundo os policiais, as mulheres são frequentadoras de bordéis espalhados pela rodovia Gentil Archer.

Dúvidas ou Sugestões