Secretário de Segurança do Paraná pede demissão

O governo do Paraná informou ontem (8) que o secretário de Segurança Pública do estado, Fernando Francischini, pediu demissão do cargo. Ele sai depois de nove dias da ação policial que deixou mais de 200 feridos em manifestação de servidores estaduais, a maioria era professor em Curitiba. Por quase duas horas, bombas de gás, balas de borracha, sprays de pimenta foram lançadas pela polícia aos manifestantes que protestavam contra o projeto que alterou a Previdência do estado. O delegado da Polícia Federal Wagner Mesquita de Oliveira assume interinamente o comando da secretaria.

Esse é o terceiro pedido de demissão no governo paranaense após os protestos. O então secretário de Educação do Paraná, Fernando Xavier, envolvido na negociação com os professores em greve, pediu exoneração na última quarta-feira (6).

Na carta de demissão, Francischini afirma que pediu para deixar o cargo a fim de “colaborar com a governabilidade” do estado e que confia no governador Beto Richa, “para superar este momento de crise”. “Finalizo, assumindo novamente e publicamente todas as minhas responsabilidades, na atuação policial nas últimas operações, apoiando o trabalho da tropa,” observou.

Quinta-feira (7), o comandante-geral da Polícia Militar (PM) do estado, coronel Cesar Vinicius Kogut, também pediu demissão, alegando dificuldades administrativas com a Secretaria de Segurança Pública.

Kogut e Francischini vinham se desentendendo publicamente sobre os procedimentos adotados pela PM paranaense nos protestos. Em entrevista coletiva, Francischini classificou de “lamentável” os episódios de violência contra os manifestantes.

“Não tem justificativa. Nós lamentamos. As imagens são terríveis. Nunca se imaginava um confronto como esse. Nada justifica. Lesões de maneira tão lastimável, com as imagens que nós vimos de ambos os lados. Vamos ouvir quem comandou a operação, quem deu ordens para que fossem executadas as medidas de conteção”, disse Francischini.

Na última terça-feira (5), Kogut enviou carta ao governador Beto Richa em resposta às declarações do secretário. “Não se pode admitir, em respeito à tradição da Polícia Militar do Paraná, seus oficiais e praças, que seja atribuída a tão nobre corporação a pecha de irresponsável e leviana”, diz ele no documento, que também informa que Francischini participu do planejamento da operação e foi informado dos desdobramentos durante a ação dos policiais.

Dúvidas ou Sugestões

Novo diretor de turismo foi nomeado na tarde de quarta-feira (27)

Na tarde desta quarta-feira (27), reunião no gabinete do prefeito Jonas Paegle marcou o início da gestão de Sidnei Dematé como diretor de Turismo de Brusque, cuja pasta é vinculada a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda.  “A expectativa é a melhor possível. Brusque tem um potencial incrível na área de Turismo e os empresários anseiam por mudanças radicais de gestão. Vou...
Continuar lendo...

Bom exemplo de honestidade a ser seguido por todos

Na manhã desta quinta-feira (28), o senhor Demian Provesi, morador do bairro Trinta Réis, ao deslocar para o centro de Nova Trento, perdeu sua carteira com todos documentos, cartões de crédito e débito, além de uma quantia em dinheiro. Pouco tempo depois a carteira foi encontrada no canto da via, debaixo de chuva, por Rodrigo Dalsenter, que a primeira providencias tomada foi entregar no Quartel da PM, devolvendo com todos os pertences. Como...
Continuar lendo...

TSE anuncia parcerias com Twitter e TikTok para combater desinformação

As plataformas se comprometeram a facilitar o acesso a informações fidedignas sobre o processo eleitoral, destacando-as em resultados de busca, por exemplo. Durante o anúncio, por videoconferência, o gerente de Políticas Públicas do Twitter Brasil, Fernando Gallo, pediu que os usuários leiam a política de integridade cívica da plataforma, que veda alguns conteúdos relacionados ao pleito. Ele também frisou que o...
Continuar lendo...