Novo Código Penal endurece pena para homicídio

O senador Pedro Taques (PDT-MT) apresentou hoje (10) o relatório sobre a reforma do Código Penal Brasileiro (PLS 236/12). A proposta foi lida, mas diante da complexidade da matéria, um pedido coletivo de mais tempo para analisar o texto adiou para a próxima terça-feira (17) a votação da proposta na Comissão Especial de Reforma do Código Penal.

O texto torna mais dura, por exemplo, a pena para o crime de homicídio, que passa a ser oito anos para os classificados como simples. Nesses casos, a ideia é que o condenado cumpra um quarto da pena em regime fechado para progredir para o regime semiaberto.

O relator decidiu não acatar sugestões polêmicas feitas por uma comissão de 11 juristas, presidida pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Gilson Dipp, como, por exemplo, a possibilidade de aborto até a 12ª semana de gestação nos casos em que a mulher apresentar incapacidade psicológica de arcar com a gravidez.

“Entendo que a Constituição defenda o direito à vida. Hoje, o nosso Código Penal já prevê a possibilidade de aborto quando há gravidez fruto de violação da dignidade sexual (estupro). Isso será mantido, mas não vamos flexibilizar mais. Vamos manter a legislação atual”, justifica o senador, que também incluiu na proposta a possibilidade de aborto no caso de fetos anencéfalos, conforme entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF).

Outra sugestão dos juristas rejeitada por Pedro Taques foi a possibilidade de descriminalização do porte de entorpecentes quando a quantidade apreendida for suficiente para o consumo médio individual por cinco dias. Segundo o relator, em situações específicas, se o juiz entender que o cidadão é usuário, ele não aplicará a pena porque isso não configura crime. Para ele, a proposta dos juristas poderia aumentar ainda mais o uso de entorpecentes.

Segundo o senador, a proposta em discussão reduz o número de crimes previstos no código atual de 1.750 para 355. No projeto, de quase 500 páginas, há outras novidades, como a previsão da responsabilização penal de pessoas jurídicas; regras mais claras para progressão de regime; o aumento do rigor penal no combate aos crimes contra os animais; a tipificação do crime de terrorismo; reintrodução do crime de violação de domicílio e criminalização da doação eleitoral proibida. A questão da maioridade penal não foi tratada porque, segundo o relator, depende de mudança na Constituição.

“Este projeto não pode ser um de código de amigos e nem de inimigos. Tem que ser um código cidadão, um código da sociedade brasileira”, garantiu Taques. Apesar da votação do relatório na comissão na semana que vem, a expectativa é que a votação da matéria no plenário do Senado fique para 2014. Depois, o texto segue para a Câmara dos Deputados.

O relatório é resultado da análise de 804 emendas apresentadas pelos senadores e 140 projetos de lei que já tramitavam no Senado e foram anexados ao projeto.

LDO

Dúvidas ou Sugestões

Controladores de velocidade nas rodovias federais são reativados

Os 3.005 radares de controle de velocidade em rodovias federais espalhados pelo Brasil e que estavam desligados desde novembro já estão reativados. O motivo do desligamento foi a falta de repasse financeiro para custeio dos serviços e operação dos equipamentos, segundo informou o Departamento Nacional de Infraestrutura (DNIT), responsável pelo gerenciamento dos mesmos. Em Santa Catarina, quatro rodovias tinham equipamentos nesta...
Continuar lendo...

Deficiente alega ter sido impedido de entrar com cão guia em órgão público

O deficiente visual Sidnei Pavesi afirma que foi impedido de adentrar as dependências de uma das salas da Ciretran, na Delegacia Regional de Polícia Civil de Brusque, com seu cão-guia. O fato teria ocorrido na última sexta-feira (26), quando ele foi ao local fazer a transferência de propriedade de um veículo. Segundo Pavesi, ao chegar no estabelecimento público, ele foi direcionado à sala onde atua o servidor Almeri Viana, que...
Continuar lendo...

Projeto começa 2014 em grande estilo

Diversos alunos da 4ª série da Escola de Ensino Fundamental Alberto Pretti, localizada no Bairro Limeira Baixa, tiveram uma verdadeira aula de cidadania na manhã desta terça-feira (1º). Trata-se da primeira turma de 2014 da Transitolândia, projeto desenvolvido pela Polícia Militar e que conta com o apoio da Prefeitura de Brusque. No primeiro momento dos alunos no 18º Batalhão de Polícia Militar (BPM), uma palestra foi ministrada pelo soldado PM Thomas Odisi de Souza e pelo guarda de...
Continuar lendo...