As dificuldades do autismo

Para lembrar a passagem do Dia Mundial de Conscientização do Autismo, comemorado nesta terça-feira (2), a Rádio Cidade recebeu no programa Rádio Revista Cidade a mãe de uma criança que possui a síndrome. Gisele Zambiazzi compartilhou com os ouvintes sua experiência e destaca que até descobrir que o filho tinha autismo, foi uma longa caminhada.

Ela diz que o menino apresentava comportamento fora do padrão e isso despertou uma curiosidade, devido ao desenvolvimento dele, que se mostrava diferente das outras crianças. “Ele não fazia amigos. No caso do meu filho, ele fazia as tarefas e trabalhos. Sempre teve as melhores notas na sala de aula. É um ótimo aluno, mas a questão social era zero”, conta ela.

Gisele diz que a dificuldade de relacionamento da criança é,  até hoje, outra dificuldade enfrentada. Além desta, estão o incômodo pelo barulho, agitação, luz, cheiro e com sabores. “Meu filho tem uma alimentação muito restrita. A gente tem que fazer um trabalho de dessensibilização, porque texturas, cores, aromas, tudo é difícil para eles trabalharem isso”.

Ela conta que desenvolvimento escolar, os professores ficavam nervosos por que ele não fazia amigos e as atividades eram um tormento. Na hora do recreio, ele se isolava. “Trabalhamos isso nele, os movimentos repetitivos, o costume de ficar andando de um lado para o outro.  Se ele acha uma parede, vai ficar de um extremo a outro, vai de uma ponta até a outra.Tudo tem que ser dentro de um padrão, dentro de uma regra e de uma rotina”, revela a mãe.

Para a mãe, a sociedade não está preparada para lidar com o autismo.  “Professores desinformados, não estou falando, especificamente, de Brusque. Estou falando do Brasil inteiro. A rede pública é completamente despreparada para lidar com essas crianças e esses jovens. Normalmente, essas crianças são vistas como problemas na escola, os agressivos, os mal educados, os esquisitos e costumam ser esquecidos nas escolas. Têm casos que recusam matrículas e uma série de atrocidades que venho acompanhando desde que tive o diagnóstico do meu filho”, conta Gisele.

Ainda segundo ela, o grande mal é a falta de informação e de profissionais para lidar com o problema. Em seu caso, ela teve contato  com pessoas capacitadas na própria escola em que seu filho estuda, na rede municipal.

Para ela, a informação é a única orientação, o único meio. “Recebi isso como um alívio e um manual de instrução. O altista precisa de uma linguagem objetiva. A gente transforma o dia a dia dessa criança em uma terapia”.

A mãe orienta as pessoas que não podem pagar uma tratamento com profissionais a ir na internet pesquisar, procurar, ou, até mesmo, saber de outras famílias e pais que tenham casos parecidos. Outra forma é  ir em uma biblioteca.

A neuropediatra Cristina Maria Pozzi, que atua há 20 anos a área, destaca que os primeiros sinais podem aparecer antes dos três anos de idade, com o atraso de linguagem. Uma criança que tem a tendência a se isolar, a brincar de maneira diferente, evita o contato visual é uma criança muito agitada.

Ela fala que, muitas vezes, a criança age, espertamente. “O autismo tem crianças que não falam, que você reconhece facilmente. A idade do inicio da fala é dois e três anos. Se isso não acontecer, tem que existir uma investigação. Se, caso a criança escuta normalmente, o autismo é uma possiblilidade”, explica ela.

A médica observa que, nessa idade, a linguagem é o principal fator e outras questão comportamentais ficam mais fortes. Caso for uma criança que não brinca com outras crianças, e, se brinca, arruma encrenca ou, até mesmo, se é uma criança muito agitada e, às vezes, tem dificuldade para se enturmar, que sempre quer o mesmo tipo de alimento.”, complementa a médica.

Colaboração: Alain Rezini

 

 

 

 

Dúvidas ou Sugestões

Maria Vitória é vice-campeã da 4ª etapa do Estadual Infanto

Jogando em Brusque neste final de semana, a tenista Maria Vitória Becker Rodrigues ficou com o vice-campeonato da 4ª etapa do Estadual Infanto, na categoria 14 anos Feminino Simples. Foram cinco jogos disputados, com três vitórias e duas derrotas ao longo da competição, que aconteceu nas quadras da Sociedade Esportiva Bandeirante. A estreia aconteceu na sexta-feira, com uma derrota por 2 sets a 1 para a atleta Priscila Janikian, com parciais de 6-2, 1-6...
Continuar lendo...

PM atende dois casos de violência doméstica no domingo

A Polícia Militar registrou dois casos de violência doméstica, no domingo, Dia das Mães (12), em Brusque. Na tarde do último domingo, policiais do 18º Batalhão prenderam um homem que agredia sua esposa na rua Manoel Assino, bairro Limeira Baixa, em Brusque. Foi por volta das 12h54, o Centro de Operações da Polícia Militar recebeu a informação de que uma mulher havia sido agredida e ameaçada pelo seu...
Continuar lendo...

Projeto pretende revitalizar a Rua Azambuja

Com o objetivo de revitalizar, resignificar e reconectar a Rua Azambuja com o restante da cidade, na tarde de sábado (22), integrantes do Instituto de Arquitetos do Brasil – Núcleo Brusque, apresentaram o estudo “Distrito de Azambuja”. Desenvolvido a partir de uma parceria com a Associação das Micro e Pequenas Empresas de Brusque e Região (AmpeBr) desde 2016, o projeto piloto tem como proposta buscar soluções para alguns...
Continuar lendo...