De Bandidos a Mocinhos

Dois jovens pegaram um táxi na madrugada de sábado (15) e viraram bandidos sem nem saber porque. Tudo começou quando os amigos Jean da Cunha (20) e Marcos Roberto Serpa (22) pegaram o táxi conduzido por Josué Fernandes (29) e pediram para ir até uma casa noturna na Rodovia Gentil Batisti Archer. Com a pista molhada o carro Santana Placas MBS-9043, de Brusque, capotou em alta velocidade. Desesperado, o condutor do veiculo disse aos clientes que fugissem, pois iria simular um assalto. Ele é funcionário e não proprietário do táxi.

Os dois rapazes saíram do veiculo e foram procurar ajuda. Quando retornaram, foram presos. Segundo Marcos, os dois chegaram a ser agredidos pelo dono do veiculo enquanto estavam algemados no local do acidente. Todos foram levados à Delegacia de Policia e o condutor continuou afirmando o assalto. Alguns detalhes desta história começaram a chamar a atenção. Nenhuma arma foi encontrada com os dois rapazes e dificilmente os "assaltantes" voltariam ao local do crime, sabendo que a “vitima” chamaria a polícia.

Diante de tantas incertezas e da falta de provas do taxista Josué Fernandes, o delegado Alonso Torres interrogou o motorista junto com o dono do carro e liberou os dois acusados. Os acusados, quando detidos, tinham dinheiro e nada tomaram do taxista. A suposta arma usada para render o taxista também não foi encontrada, diz o delegado. O policial afirma também que os jovens voltaram ao acidente porque viram os policiais no local.

Um deles, Marcos Roberto Serpa, procurou o jornalismo da Rádio Cidade para contar a sua versão. De acordo com Marcos, ele chegou a perder o emprego que começaria hoje. Os amigos agora procuram um advogado para processar Josué por calunia, difamação e danos morais. E o proprietário do Táxi por agressão.

No começo da tarde de segunda-feira Jean e Marcos voltaram à DP para registrar um Boletim de Ocorrência. Desta vez como vitimas.  

Dúvidas ou Sugestões