Vítimas precisam de acompanhamento, diz psicólogo

Passaram-se cinco anos da implantação  no Código Penal, da Lei Maria da Penha, criada com o objetivo de coibir a violência contra a mulher. Em Brusque, apesar do pouco efetivo, a Delegacia de Proteção à Mulher, Criança, Adolescente e ao Idoso (Dpcami) atua no apoio total às vítimas, que além do procedimento policial, também passam por acompanhamento psicológico.

Antonio Carlos Cruz Corvo, psicólogo que atende na Dpcami, explica que a grande dificuldade ocorre quando a vitima não prossegue com o processo. "A vítima chega aqui, faz o boletim de ocorrência, é ouvida pelas escrivãs e, quando o procedimento chega ao fórum, (ela) quer retirar a queixa. E não quer tocar pra frente. Isso impede que possamos fazer um trabalho mais protetivo com a mulher", comentou Corvo.

"O delegado Alonso Torres, responsável pela Dpcami, sempre se preocupa com a proteção da mulher", disse Cruz Corvo. "Só que a agredida não se preocupa com isso, e isso nos traz uma contradição muito grande", afirmou o psicólogo, frisando que a mulher agredida, quando assistida por ele, tem resistência em falar do que acontece.

Em um primeiro momento, continuou ele, a vitima tenta minimizar as coisas. "Mas, com o tempo nós vamos mostrando como é importante a afirmação da vitima. O grande problema é que geralmente a vitima precisa de um acompanhamento psicológico e nós necessitamos que esse tratamento seja de uma maneira rápida. Nós, psicólogos da delegacia, no máximos fazemos laudos. Não podemos tratar. E isso tem que partir para função pública. Muitas vezes o caso demora a ser tratado", resumiu.

Ainda segundo Corvo, falta estrutura para abrigar as mulheres e ele, inclusive, já tratou do assunto com o delegado Alonso Torres. "Estamos estudando a possibilidade de um projeto dos funcionários aqui dessa delegacia especializada, com as vitimas, para que elas possam se fortalecer. E, fortalecendo, elas começam a criar um grupo para ter mais força. As vitimas vão se sentir mais protegidas das agressões", explicou o psicólogo Antonio Carlos Cruz Corvo.

Colaboração: Valdomiro da Motta

 

Dúvidas ou Sugestões

Centro conquista bocha rafa masculina

Mais uma modalidade foi encerrada na disputa dos Jogos Comunitários de Brusque – Taça Jornal Município 60 anos. Na noite desta terça-feira (26), a comunidade do Centro foi bicampeã da bocha rafa masculina. As finais aconteceram na Associação Santa Rita e a bicampeã precisou vencer duas partidas para conquistar o troféu. Nas semifinais, placar apertado contra o Bairro Guarani. O jogo foi o primeiro da programação da noite e terminou com o placar de 12 a 10 para o Centro. Já na...
Continuar lendo...

Dólar volta a cair e fecha abaixo de R$ 3

Em queda pelo terceiro dia seguido, o dólar fechou abaixo de R$ 3 pela primeira vez desde março. O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (23) vendido a R$ 2,982, com queda de R$ 0,027 (-0,89%). A cotação é a menor desde 4 de março, quando a moeda norte-americana tinha fechado em R$ 2,981. O dia foi marcado por oscilações no câmbio. A divisa começou a sessão em alta. Na máxima do dia, por volta das...
Continuar lendo...

Moradora de Brusque morre em grave acidente

Um grave acidente na tarde desta sexta-feira (21), na BR-470 no município de Apiúna acabou causando a morte de uma moradora de Brusque, que ainda não teve a identidade confirmada. Segundo o Corpo de Bombeiros, a colisão ocorreu na altura do Km 95 da rodovia e envolveu um carro e dois caminhões. A moradora de Brusque identificada como Lourdete Gardini Reis, dirigia Chevrolet Meriva com placas de Brusque ficou presa nas ferragens e quando os bombeiros chegaram ao local ela já estava...
Continuar lendo...