Desassoreamentos de valas são intensificados pela Secretaria de Obras

Os serviços de limpeza e desassoreamento de valas começaram a serem intensificados pelos servidores da Secretaria de Obras nesta terça-feira (14). As equipes iniciaram as manutenções ao longo da avenida Primeiro de Maio, nas proximidades da antiga fábrica de tecidos Renaux. 

As ações visam melhorar o escoamento das águas das chuvas, principalmente nesse período do ano, quando o calor impulsiona o crescimento mais rápido da vegetação. Após o término dos trabalhos na localidade, a equipe se deslocará para o bairro Bateas e, na sequência, para o bairro São Pedro.

"Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte."



Antes de comentar leia os


′Paixão e Morte de um Homem Livre′ terá a participação de Francisco Cuoco

187 dias atrás

O ator Francisco Cuoco é quem estará participando do espetáculo “Paixão e morte de um Homem Livre” em Guabiruba. O anuncio foi feito na tarde desta quarta-feira (15) pela Associação Artístico Cultural São Pedro (AACSP). Francisco Cuoco, tem 62 anos de carreira, 27 peças de teatro, 10 filmes e 57 novelas. Atualmente ele está no ar com a novela Sol Nascente, na rede Globo. Os custos de contratação de Francisco Cuoco, bem como a maioria das despesas do espetáculo estão amparados pelos patrocinadores, através da Lei Rouanet de incentivo à cultura. Este ano de 2017, a história da crucificação e da ressurreição de Jesus Cristo será narrada por Maria nos dias 13 e 14 de abril. O presidente da Associação Artístico Cultural São Pedro (AACSP), Marcelo do Nascimento, considera que a proposta valoriza os cerca de 350 atores voluntários e os patrocinadores, porque engrandece o projeto como um todo. “A cada edição o espetáculo vai tomando uma dimensão maior, está mais presente na mídia e desperta o interesse e a curiosidade nas pessoas. O que move tudo isso são centenas de voluntários que se comovem por fazer parte de algo tão belo que é a história de paixão, morte e ressurreição de Jesus”, afirma Nascimento.

Geral

Corpo de Bombeiros Militar terá banda musical com participação da comunidade

187 dias atrás

Estão abertas as inscrições para músicos, de ambos os sexos, interessados em participar da Banda de Música do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina. O processo de seleção, via Edital, já está disponível no site: www.cbm.sc.gov.br. A única exigência para os interessados, que devem ser maior de idade e participar do curso de formação, é ser músico instrumentista ou cantor. As inscrições se estendem até 10 de março. Para concorrer a uma, das 48 vagas disponíveis, o candidato deverá enviar um vídeo demonstrando seu desempenho musical em no máximo dois, dos 17 tipos de instrumentos previstos. Há também duas vagas para cantores, uma para homem outra para mulher. Depois do processo de inscrição, os candidatos passarão por um curso de formação. Mesmo processo aplicado no programa Bombeiro Comunitário, que integra pessoas da comunidade para atuarem de forma voluntária nos quartéis da corporação. O CBAE- Curso Básico de Atendimento de Emergências, tem ênfase na capacitação de civis para agirem em situações de risco, atuando numa primeira resposta para salvar vidas ou minimizar danos, em caso de acidentes ou ocorrências. Essa é a primeira vez que o curso acontece de forma específica para músicos. As aulas iniciam em 29 de março e se estenderão até 31 de maio de 2017, às quartas-feiras, das 19hmin às 22h30min, no Centro de Ensino Bombeiro Militar, no bairro Trindade, Florianópolis. Depois das fases de capacitação, os Bombeiros Comunitários formados estarão aptos a atuarem em atividades desenvolvidas pela banda, que representará a instituição em solenidades e festividades próprias ou eventos e ações sociais. Além disso, poderão prestar serviço voluntário nos quartéis militares do Estado. "A iniciativa de trazer músicos da comunidade para ingressarem na banda servirá para fortalecer ainda mais os vínculos sociais que o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina vem desenvolvendo com a população. Além de oferecer ao músico conhecimentos para agir em situações de emergência, pois lida constantemente com público no decorrer de sua carreira musical", avalia o coordenador e idealizador do projeto de formação da Banda do Corpo de Bombeiros Militar, Capitão BM Dárcio Arcelino Nunes Filho.

Geral

Pesquisa vai mapear influência genética e ambiental na ocorrência de câncer

188 dias atrás

Um projeto global, que contará com a participação de três instituições brasileiras, pretende mapear como os fatores genéticos e ambientais podem influenciar a ocorrência de câncer em todo o mundo. O programa, chamado Grand Challenge, foi lançado na última sexta-feira (10) pelo Cancer Research UK, um órgão de pesquisas sobre o câncer no Reino Unido, que vai investir 100 milhões de libras – quase R$ 390 milhões – nessa ação. O que se pretende com o projeto é entender, por exemplo, porque determinados tipos de cânceres são mais comuns em certas regiões e como os comportamentos considerados de risco, como os hábitos de fumar e beber, podem levar ao desenvolvimento da doença. Para que isso seja possível, os pesquisadores vão analisar e traçar o perfil epidemiológico e as assinaturas genéticas de 5 mil pacientes de cinco continentes, que desenvolveram tumores de rim, pâncreas, esôfago ou intestino. No Brasil, a pesquisa será desenvolvida com o apoio do Hospital do Câncer de Barretos, do Instituto Nacional do Câncer (Inca) e do A.C. Camargo Cancer Center. “O câncer não é mais um problema de São Paulo, do Brasil ou dos Estados Unidos. É um problema mundial, existem vários fatores que podem estar relacionados ao processo tumoral e temos que conhecer todos esses fatores para conseguir resolver o problema mundialmente”, disse Vilma Regina Martins, cientista e superintendente de Pesquisa do A.C.Camargo, em entrevista à Agência Brasil. “Quanto mais dados você tiver, tanto em amostras quanto em diversidade de amostras e de cérebros pensando a respeito do problema, aumenta a chance de se fazer alguma coisa relevante”, ressaltou. Sete principais linhas de pesquisa ou questionamentos serão feitos dentro do projeto. O A.C. Camargo Cancer Center, por exemplo, fará a parte da pesquisa chamada Mutographs of câncer: discovering the causes of câncer through mutational signatures, liderado pelo professor Mike Stratton, diretor de um campus de pesquisa do genoma do Wellcome Trust Sanger Institute, no Reino Unido. Essa linha de trabalho busca entender como a interação de determinada pessoa com o meio ambiente e o tabaco, por exemplo, pode levar ao desenvolvimento da doença. A pesquisa também pretende identificar que outros fatores, ainda desconhecidos, estão causando alterações na leitura do código genético do DNA e influenciando o desenvolvimento do câncer. Todos esses fatores provocam algum tipo de alteração na leitura do código genético do DNA. Alguns, como os que são provocados pelo tabaco, já foram identificados. Mas, segundo a cientista, há dezenas de outros que provocam alterações no código genético e que ainda não foram identificados. “Conhecemos alguns desses agentes [tabaco, álcool, benzeno, vírus, produtos químicos, entre outros] que são os mais clássicos e que já foram estudados, mas o ponto é: e quando há um perfil que não está associado a nenhum desses agentes que conheço. Qual é esse agente?”, perguntou Vilma. “Quando se olha para a população mundial, vemos que alguns tumores são mais incidentes em algumas regiões. Pode ser por um fator ambiental como também por um fato genômico ou da genética daquela população, que pode ter algumas alterações que aumentam ou diminuem o risco de desenvolver determinado tumor. Provavelmente o que temos é uma combinação dos dois: do ambiente e da genética dessas pessoas”, disse a cientista. Outras linhas de pesquisa Outros questionamentos buscam respostas para o desenvolvimento de vacinas destinadas a prevenir os cânceres não virais e o desenvolvimento de abordagens inovadoras para tornar a doença controlável e não letal, ou abordam a erradicação dos tumores induzidos pelo Epstein-Barr vírus (EBV) e a distinção entre os tumores letais e que precisam de tratamento dos não letais. Também está previsto um mapeamento dos tumores em níveis molecular e celular e uma pesquisa sobre a entrega de macromoléculas biologicamente ativas a qualquer célula do corpo. A expectativa é de que sejam coletadas amostras de 900 pessoas no Brasil, que serão sequenciadas por meio de um exame de DNA. Essas pessoas terão também que responder a um questionário padronizado que irá ajudar a entender o seu perfil e os hábitos alimentares ou sua exposição a agentes carcinogênicos. “Ao final de cinco anos [tempo de duração do projeto], a gente imagina que conseguirá identificar outros agentes etiológicos [causadores de doença] que estão associados com o câncer. E, talvez, algumas características populacionais. E aí conseguiremos mapear, no genoma, onde estão essas alterações ou essas diferenças entre as populações e entender porque elas estão em maior risco que outras. Isso será muito importante porque quando se conhece o agente etiológico, de forma geral você consegue fazer a prevenção”, afirmou a cientista.

Geral
Subir